ZERO HORA: MINIMIZAR DESVIO DE FUNÇÃO

20976972Palavra do secretário da Segurança, Cezar Schirmer: é inaceitável um policial militar, treinado para defender a população, estar em desvio de função, atuando como motorista de deputado ou de qualquer outra autoridade.

Para aumentar o número de policiais nas ruas, Schirmer planeja utilizar nas atividades burocráticas da Secretaria da Segurança servidores que sobrarem no processo de extinção de órgãos públicos.

ZH

Estudo de redução da máquina avança

Apesar de ainda não estar definido quando os projetos serão encaminhados à Assembleia, internamente, no governo, há a convicção de que a máquina administrativa do Estado precisa ser reduzida. Após a construção de mapa detalhado sobre empresas da administração indireta que apresentam lucro, as que acumulam déficit e o papel de cada uma na gestão e na prestação de serviços à população, a análise agora entrou em outra fase. Grupo do Executivo está realizando estudo de mercado, envolvendo extinções, fusões e federalização, considerando a possibilidade de redução de custos e o ingresso de receita em caixa. O detalhe é que, em muitos casos, o destino das empresas, caso da CEEE, depende da realização de plebiscito ou de alteração na legislação por meio de aprovação de PEC pelo plenário da Assembleia, o que levará a uma discussão que promete ser tensa com a base aliada.

Apesar das críticas, expectativa é de apoio

Prevista para amanhã, a votação do projeto do Executivo que estabelece permuta do prédio da Fundação de Recursos Humanos em troca da criação de 1 mil vagas prisionais será utilizada pela oposição para criticar a insegurança que atinge o Rio Grande do Sul. Líder do governo na Assembleia, Gabriel Souza afirma que a proposta atual apenas altera o objeto da permuta que consta em legislação de 2013, aprovada no governo Tarso, que previa o recebimento, pelo Estado, de um prédio comercial. Gabriel acredita que apesar das críticas, poderá contar com os votos favoráveis da oposição, devido à importância da proposta para o enfrentamento de parte da crise na segurança pública.

CORREIO DO POVO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *