BM quer presença da Força Nacional em Porto Alegre pelo menos até o final do ano

“Eu gostaria que a Força Nacional ficasse no mínimo até o final do ano”, afirma Alfeu Freitas | Foto: Leandro Osório | Palácio Piratini
“Eu gostaria que a Força Nacional ficasse no mínimo até o final do ano”, afirma Alfeu Freitas | Foto: Leandro Osório | Palácio Piratini

Porém, com relação à separação das corporações da Brigada e dos Bombeiros, Freitas declarou que ainda não há uma data para isso

Há pouco mais de um mês e meio na Capital gaúcha, a Força Nacional de Segurança deve permanecer em Porto Alegre ao menos até dezembro. Pelo menos é o que deseja o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Alfeu Freitas. Em entrevista à Rádio Guaíba na manhã desta quarta-feira, Freitas afirmou que a adaptação dos policiais da Força Nacional em novas localidades é, geralmente, por um período de dois meses, para que os profissionais conheçam os pontos cruciais de criminalidade. Porém, tendo em vista que no final do ano novos policiais militares serão formados pela Brigada, Freitas avalia que a presença dos 120 agentes da Força Nacional seriam indispensáveis, ainda mais em função das festas de final de ano.

“Eu gostaria que a Força Nacional ficasse no mínimo até o final do ano. Já que veio, que fique até o final do ano. Porque no final do ano nós vamos formar em torno de 170 novos policiais militares. Então, nós poderíamos pegar esse policial e fazer um remanejo para que se mantenham determinadas ações. Não com o mesmo impacto da Força Nacional, até porque são pessoas que estão se formando agora, mas na questão da visualização do policiamento ostensivo. Ainda mais no final do ano onde os homicídios cometidos entre o pessoal que circula na droga aumenta muito. Se a Força Nacional estiver aqui, por este período, vai nos ajudar a minimizar um pouco esse indicador”, sustentou Freitas.

Até o dia 30 de dezembro, a Brigada Militar estima finalizar a formação de 170 brigadianos. Destes, cerca de 40 são bombeiros. Além disso, mais 1,3 mil estão em processo de chamamento, que devem iniciar o curso de formação em novembro. Porém, a previsão é que estes futuros policiais militares só se formem na metade do ano que vem.

Porém, com relação à separação das corporações da Brigada e dos Bombeiros, o coronel declarou que ainda não há uma data para isso. Portanto, toda ação do Corpo de Bombeiros ainda é subordinada ao Comando Geral da Brigada Militar. Mas Freitas acredita que a efetiva separação deva ocorrer no primeiro semestre de 2017.

Fonte: Vitória Famer / Rádio Guaíba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *