Com 25 anos de profissão, bombeiro do RS fica conhecido por fazer partos

Sargento já ajudou 14 mulheres a darem à luz ao longo da carreira.
Último parto foi realizado neste mês dentro de viatura em Santa Maria.

Do G1 RS

Mais do que apagar incêndios, o sargento Airton Camargo, de 46 anos, está sempre a postos no Corpo de Bombeiros de Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, para socorrer quem precisa, independente do motivo. Ele faz parte do grupo de atendimento de emergência e, em 25 anos de profissão, já realizou 14 partos.

O último foi feito no início deste mês de outubro dentro de uma viatura. O plano era levar a mãe até a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas o bebê não podia esperar.

“Diante da gravidade da situação, a equipe tomou a decisão de conduzir a vítima, sempre mantendo contato com o Samu para traçar um itinerário e ponto de encontro. Neste momento, a parturante informou que a criança estava prestes a nascer”, conta o sargento.

Bebê Endriel nasceu saudável com a ajuda da equipe de bombeiros (Foto: Reprodução/RBS TV)
Bebê Endriel nasceu com saúde, graças à ajuda dos bombeiros (Foto: Reprodução/RBS TV)

O profissional fez até curso de enfermagem para garantir um atendimento mais completo, só que a viatura usada no deslocamento da gestante não era de resgate.

Mesmo com o preparo e a experiência de episódios anteriores, a falta de instrumentos necessários foi um desafio para Camargo, que estava acompanhado do capitão Vinícius Deprá.

“Muito embora não tivesse os melhores recursos no momento, o sentimento é de dever cumprido e deu tudo certo”, vibra o capitão, que passou pela experiência pela primeira vez.

Encontro emocionante
Dois dias após o parto, a dupla que ajudou Josiele Flores, de 26 anos, a dar à luz foi visitar o recém-nascido no hospital. “Se não fosse eles, ele não estaria aqui”, reconhece a mãe, agradecida.

E o bebê Endriel, em breve, vai ganhar um novo amigo. É que o sargento Camargo vai ser pai, pela segunda vez, em dezembro deste ano. “Eu moro perto deles. Já que o destino quis que eu assistisse ao parto, por que não virarem amigos? O meu também é menino: Artur”, comemora o bombeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *