“É um cenário cinematográfico”, diz oficial da BM sobre confronto em Caxias

21359984
Perseguição a bando que matou duas pessoas, no bairro Planalto, acabou com confronto e mais mortes na Vila Ipiranga Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Major Emerson Ribas, comandante do 12º BPM, exaltou coragem dos policiais durante a ocorrência na Vila Ipiranga

Por: Leonardo Lopes 

Em uma rua estreita, com a pouca iluminação prejudicada pela noite de chuva, e na base de uma íngreme escadaria de acesso a moradias. Foi neste cenário da Vila Ipiranga, em Caxias do Sul, que policiais militares confrontaram os criminosos que haviam atirado mais de 40 vezes para matar um casal no bairro Planalto minutos antes. Quatro bandidos foram mortos e outro foi preso.

— É um cenário cinematográfico. Hoje é importante enaltecer o trabalho destes policiais. Enfrentaram uma quadrilha fortemente armada, em um local de difícil acesso e, felizmente, nenhum policial restou ferido. Temos que valorizar a coragem e preparo destes policiais — ressalta o major Emerson Ribas, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM).

A Brigada Militar foi comunicada de um intenso tiroteio no bairro Planalto por volta das 22h30min. A informação é de que os atiradores estavam em um veículo branco. Uma guarnição, que retornava após patrulhamento no loteamento Campos da Serra, desconfiou de um HB20 e tentou a abordagem. Houve resistência e perseguição em alta velocidade.

O acompanhamento policial prosseguiu pelos bairros Diamantino, Cruzeiro, Bela Vista, Cristo Redentor e Vila Ipiranga. Os bandidos realizaram manobras proibidas e de alto risco.

— Foi uma perseguição bem extensa e perigosa. Conversamos com os colegas que confirmaram que passaram por diversos bairros da cidade. Provavelmente entraram sem conhecer a Vila Ipiranga. Então resolveram se refugiar em um local alto, mas o preparo dos policiais prevaleceu — conclui o major Ribas.

Sem conseguir despistar os policiais, os criminosos chegaram a uma região que pouco conheciam. Desnorteado, o bando abandonou o HB20, com placas de Viamão, na Rua João Pedrinho Pistorello e prosseguiu a fuga a pé. Porém, ficou encurralado em uma escadaria e houve confronto. O único sobrevivente foi Anderson Lima de Moreira, 34 anos, que utilizava um colete a prova de balas. Ele está internado no Hospital Pompéia em estado estável.

Três mortos foram identificados: Eduardo de Jesus, 19, Eduardo Mascarello, 23, e Rodrigo Pavan, sem idade confirmada. Com o bando foram apreendidas duas espingardas calibre 12, uma submetralhadora, duas pistolas (calibres .45 e .380) e um revolver .38.

“Estavam bem armados e com a certeza do que iriam fazer”, diz delegado sobre duplo homicídio em Caxias

Número de disparos contra casal espantou moradores e policiais que atenderam a ocorrência

Por: Leonardo Lopes
"Estavam bem armados e com a certeza do que iriam fazer", diz delegado sobre duplo homicídio em Caxias Porthus Junior/Agencia RBS
Grupo esperou Jonas Almeida de Mello embarcar no Corsa para iniciar o ataqueFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

O cenário de violência impressionou os moradores do bairro Planalto, de Caxias do Sul, e os policiais na noite desta segunda-feira. Foram mais de 40 tiros efetuados para matar Jonas Almeida de Mello, 26 anos. A companheira dele, Lilian Cassini, 21, também foi executada. Os atiradores fugiram em um HB20 que foi perseguido pela Brigada Militar até a Vila Ipiranga, onde houve confronto e quatro criminosos morreram.

— Difícil afirmar a motivação neste primeiro momento. Mas é provável que tenha algum outro crime envolvido. Parece uma vingança. (O grupo) estava bem armado e foi para execução para ter certeza de alcançar o objetivo. A gama de tiros contra o casal foi muito grande — comenta  delegado Joigler Paduano, que atendeu a ocorrência.

Na opinião do representante da Polícia Civil, o cenário da Rua Antônio Benevenuto de Marchi aponta uma emboscada contra Mello. Ele possuía antecedentes criminais por tráfico de drogas, roubo de veículo e porte ilegal de arma de fogo. Sua companheira era comissária de bordo e não tinha passagens pela polícia.

— Esses cinco indivíduos conheciam o endereço do casal e tinham um objetivo bem claro. Esperaram suas vítimas se aproximarem do carro e foram para o confronto. O casal não estava armado e não teve condições de reagir ou fugir — relata o delegado Paduano.

O Corsa branco placas IDU-0142 em que Mello embarcou foi alvejado por, pelo menos, 32 tiros. Uma Parati e um Gol que estavam estacionados também foram atingidos. Os três veículos foram apreendidos e encaminhados para perícia.

ZERO HORA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *