G1RJ: Militares da Força Nacional que atuaram no Rio não receberam

Tropas da Força Nacional de Segurança ficaram responsáveis pela segurança do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca (Foto: Cristina Boeckel / G1)
Tropas da Força Nacional de Segurança ficaram responsáveis pela segurança do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca (Foto: Cristina Boeckel / G1)

RJ deve ter rombo de R$ 17 bi em 2017, diz secretário

Grupo de militares da Força Nacional da Rio 2016 ainda está sem receber

Ministério da Justiça promete quitar os pagamentos em até três semanas.
Alguns profissionais têm até R$ 7 mil para receber, segundo apurou o G1.

Patricia TeixeiraDo G1 Rio

Um mês após o término da Rio 2016, alguns militares convocados para integrar a Força Nacional durante a Olimpíada e a Paralimpíada ainda estavam, até a noite de quinta-feira (20), sem receber o pagamento referente às diárias. Em alguns casos, os valores chegam a R$ 7 mil, segundo informações obtidas pelo G1.

Muitos vieram de outros estados para trabalhar no Rio de Janeiro e chegaram ainda em agosto. O Mistério da Justiça informou que a maioria dos recrutados já recebeu integralmente os valores devidos e que o restante, cujo pagamento não foi realizado, vai receber em até três semanas. A previsão é que até o dia 15 de novembro todos tenham recebido.

Um grupo de militares da reserva, que não quiseram se identificar, procurou o G1 para relatar a demora do pagamento. Um coronel dos Bombeiros, que chefiou uma equipe na Marina da Glória, ratificou a informação.

Jairo Cavalcante, militar da reserva remunerada do Rio que trabalhou na Rio 2016, conta que só recebeu valor total nesta quarta-feira (19). Ele estava sem o pagamento dos períodos de transição (dias entre a Olimpíada e a Paralimpíada) e da Paralimpíada, que somavam R$ 6.400.

“Eu recebi o meu dinheiro no dia 19, mas fiquei um tempo grande aguardando. Muitas pessoas também estavam necessitadas, se programaram para receber e não receberam. Ficaram me devendo o período de transição e da Paralimpíada e não deram satisfação alguma. Muitas outras pessoas estavam na mesma situação que eu”, afirmou.

O Ministério da Justiça não soube informar quantos profissionais ainda estão sem receber e de quanto é o valor pendente. Entretanto, o órgão diz que a demora no pagamento faz parte do processo normal da conferência de dados de cada profissional. E que os profissionais devem aguardar a tramitação.

Veja nota enviada pelo Ministério da Justiça:

“Para que um pagamento possa ser realizado devem coexistir as seguintes condições: Correção dos dados pessoais e bancários; Definição dos valores a serem pagos; Criação do procedimento no Sistema de Concessão e Diárias e Passagens (PCDP) individualizado; e Tramitação do PCDP entre a unidade proponente, ordenador de despesas e unidade financeira para a expedição da ordem de pagamento.

A última etapa do pagamento depende da existência de recursos financeiros, que à medida que vão sendo disponibilizados no Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI), são efetuadas as expedições das ordens bancárias.

Assim sendo, a maioria dos recrutados já recebeu integralmente os valores devidos, pois todos os dados fornecidos eram consistentes e foi comprovada a efetiva atuação durante os Jogos. O restante, cujo pagamento não foi realizado em razão de inconsistência nas informações fornecidas pelos operadores (contas correntes em nome de terceiros, equívocos em números de contas, agências e CPFs, falta de dígitos verificadores), está em fase de execução financeira, atendendo às etapas previstas para a tramitação no SCDP (Sistema de Concessão de Diárias e Passagens), uma vez que todas as verificações necessárias já foram efetuadas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *