Mais de 60 policiais que ficaram sem salários no RS devem receber pagamento até dia 16

Policiais não receberam a primeira parcela dos salários. Foto: Polícia Civil / Divulgação
Policiais não receberam a primeira parcela dos salários. Foto: Polícia Civil / Divulgação

Sistema não registrou efetividade. Corporação verifica se falha foi humana

Nesta segunda-feira, servidores do Estado receberam a primeira parcela dos salários no valor de R$ 450. No entanto, para 61 policiais civis, as contas seguem zeradas devido a um erro no sistema de efetividade, que comprova que eles trabalharam ao longo do mês. Com isso, nenhum recebeu, sequer, a primeira parcela.

A delegada Fernanda Sobrosa de Mello, diretora do Departamento de Administração Policial, garante que o pagamento vai ser integralizado até o dia 16, em uma folha suplementar, possivelmente em parcela única. Ainda está sendo apurado se a falha foi humana ou no sistema. O erro atinge agentes de Porto Alegre (Delegacia da Mulher), Pelotas (DPPA), Riozinho, Caxias do Sul, Carazinho, Chapada e Nova Roma do Sul.

Uma policial, que prefere não se identificar, relatou as dificuldades pelas quais o grupo passa – primeiro, com o parcelamento e, agora, com o não recebimento dos salários. “Tem colegas meus que não têm dinheiro para comer. E não têm para quem pedir. Se eu recebesse parcelado, podia pedir antecipação do meu salário. Mas não posso pedir isso porque não tenho salário. Eles não dão nem empréstimo porque a gente não tem folha garantida para ser descontada”, lamentou.

“Vai bater a luz, e o que eu vou dizer para a CEEE? Eles cortam a luz. Foi como o colega expôs: eu não tenho mais crédito, cheque especial, negativo no banco, dinheiro para tirar empréstimo. E aí, o que a gente vai fazer? Eu tenho nove anos de polícia. Foi quando o governador parcelou o salário que tirei o primeiro empréstimo na minha vida”, completou.

Os funcionários abriram um protocolo junto à Polícia Civil para descobrir de quem é a responsabilidade pelo erro. Eles devem entrar com um mandado de segurança pedindo ressarcimento e, amanhã, devem procurar a Corregedoria da Polícia Civil para registrar a ocorrência.

Fonte: Bibiana Dihl | Rádio Guaíba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *