PMs que se envolveram em confronto com criminosos são homenageados em Caxias

Policiais receberam voto de louvor na tarde desta quinta-feira na Câmara de Vereadores (Foto: Mauro Teixeira/Grupo RSCOM)
Policiais receberam voto de louvor na tarde desta quinta-feira na Câmara de Vereadores (Foto: Mauro Teixeira/Grupo RSCOM)

Os nove policiais que se envolveram em um confronto com cinco criminosos na noite da última segunda-feira, dia 17, em Caxias do Sul, foram homenageados na tarde desta quinta-feira, 20, na Câmara dos Vereadores. Eles receberam o agradecimento oficial e o voto de louvor da Câmara, aprovado por unanimidade entre os vereadores presentes na sessão.

O Comandante do Comando Regional de Polícia Ostensiva CRPO/Serra, Coronel Antônio Osmar da Silva, disse que a polícia não comemora esse tipo de ação. “Não comemoramos mortes. Somos preparados para fazer o máximo para não chegar a esse ponto em nosso trabalho”, explicou.

Os policiais militares homenageados são os solados Maicon Luis Segala, Márcio Renato Mendes Pedó, Deivid Martins da Rosa, Patrick Aron do Couto Sander, Daniel Ramos de Oliveira, Rodrigo Medeiros da Luz, Deise Angélia Massing, Wladimir Vieira e o Sargento Derquis Adriano Garcia Martins.

O documento ressalta que “a notável dedicação e valentia desses servidores públicos é motivo de orgulho para Caxias e para a Brigada Militar”. “Aos heróis do 12º BPM, nosso agradecimento e votos de louvor pela atuação rápida e eficiente diante de uma situação de extrema periculosidade”, finaliza o documento.

 Noite sangrenta

A atuação dos policiais homenageados nesta quinta-feira se deu em uma das noites mais violentas do ano em Caxias do Sul. Ao todo, seis pessoas morreram.

A ação iniciou por volta 22h30min, quando o casal Jonas Almeida de Mello, 26 anos, e Lilian Cassini, 21 anos, foram executados na Rua Antônio Benevenuto Marchi, no bairro Planalto, Zona Leste de Caxias. Os dois estavam em um veículo Corsa, de cor branca, com placas de Caxias do Sul. Mais de trinta tiros foram disparados contra o casal, que morreu na hora. Testemunhas afirmaram que a quantidade de disparos foi tão grande que era possível ver uma espécie de “clarão” na rua no momento da execução. Lilían trabalhava como comissária de bordo e não tinha antecedentes criminais. Jonas, conhecido como Joninhas, tinha indiciamento por porte ilegal de arma e respondia pelos crimes de roubo a veículo e tráfico de drogas.

Após o crime, os criminosos que executaram o casal fugiram em direção ao Loteamento Campos da Serra. No meio do caminho, na Rua Antônio Broilo, esquina com a Rua Padre Raul Acorsi, próximo à antiga Pena Branca, no Bairro Cruzeiro, uma viatura da Brigada Militar avistou o veículo Hyundai/HB20 de cor branca, placas IWN-9670, de Viamão, e iniciou uma perseguição. Um outro veículo Fiat/Punto e uma moto também estariam envolvidos na ação no bairro Planalto.

O Hyundai HB20, com cinco suspeitos, percebeu a presença da Brigada Militar e iniciou uma fuga em direção ao bairro Diamantino. Na sequência, os fugitivos foram até a BR-116, em direção ao presídio, onde uma viatura aguardava para tentar conter os criminosos.

A partir daí, os criminosos entraram na contramão na Rua Rodrigues Alves e depois na Angelina Michelon, nos bairros Lourdes e Cruzeiro. Eles ainda percorreram o bairro Cristo Redentor pela Rua Tronca.

Neste ponto, os carros da Brigada Militar teriam perdido o contato visual com os indivíduos em fuga, mas uma viatura com policiais à paisana acompanhou discretamente o HB20, que tentou se esconder na Vila Ipiranga.

No início da Rua João Pedrinho Pistorello, os criminosos abandonaram o carro e fugiram a pé. Eles tentaram acessar um dos becos em uma escadaria que dá acesso ao bairro Panazzolo.

Quando os criminosos tentaram fugir pelas escadas, os policias já aguardavam e iniciaram novamente a perseguição, agora a pé. Os bandidos fizeram vários disparos em direção aos policiais, que realizaram um cerco no alto da escadaria.

De acordo com os moradores do local próximo ao tiroteio, foram ouvidos mais de 50 disparos. Na troca de tiros, quatro indivíduos foram mortos. Eduardo Mascarello, 23 anos, em liberdade desde 25/07/2015, Eduardo de Jesus, 19 anos, indiciado por associação criminosa, roubo ao Banco do Brasil de Campestre da Serra em 04/02/2015, foragido desde o último dia 3, Rodrigo Pavan, 34 anos, em liberdade desde maio e Robson de Souza Nunes, 30 anos,  indiciado por receptação e porte ilegal de arma.

Um quinto homem ainda ficou ferido. Anderson Lima de Miranda, 34 anos, estava com um colete a prova de balas e, ferido com três tiros, foi socorrido até o Hospital Pompéia.

Nenhum policial foi atingido pelos disparos dos criminosos. Com eles, a polícia apreendeu seis armas. Duas pistolas, sendo uma calibre 380 e outra .45, uma submetralhadora 9mm, duas espingardas calibre 12 e um revólver 38, além de um rádio HT na frequência de Brigada Militar, touca ninjas e celulares.

21386778

Portal Leouve

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *