ZERO HORA: Com celas de delegacias lotadas, presos voltam a ficar em viaturas em Porto Alegre

Algemados, presos são mantidos nos porta-malas das viaturas Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS / Agência RBS
Algemados, presos são mantidos nos porta-malas das viaturas
Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS / Agência RBS

Na manhã desta quarta-feira, seis viaturas e 10 policiais militares estavam parados em frente ao Palácio da Polícia

Por: Vanessa Kannenberg ZERO HORA

Enquanto Porto Alegre vive uma crise na segurança, seis viaturas e cerca de 10 policiais militares amanheceram parados em frente ao Palácio da Polícia. Ao invés de patrulhar ruas, os PMs se revezam para custodiar foragidos, assaltantes e traficantes que, por falta de vagas em presídio e diante de superlotação nas celas das delegacias, passaram, pelo menos, a noite dentro de viaturas.

Um brigadiano que prefere não se identificar fazia a custódia de um foragido por roubo. O homem está desde as 13h de terça-feira dentro da viatura. Quando conversou com o ZH, o criminoso estava há 18 horas sem comer.

— A gente compra água pra gente, com dinheiro do nosso bolso, e dá um pouco pra eles. Ele é vagabundo, mas também é um ser humano — disse o PM.

21474892
Água dada aos presos é paga pelos policiais Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS

A situação não é inusitada: vem se repetindo, diariamente, há 10 dias na Capital. Na manhã desta quarta, ao menos 19 presos estavam detidos em celas — mas na sexta-feira passada, o número chegou a 43. Embora tenha caído o total de presos, a situação vem piorando, segundo o delegados responsável pelas DPPAs, Marco Antônio Souza. As delegacias começaram a ser depredadas.

— As celas são reforçadas, mas eles (presos) estão resignados, porque não é o local adequado. Acabam forçando as estruturas, porque estão aqui há muitos dias. Ontem encaminhei dois que estavam desde o dia 17 aqui, mas há outros desde pelo menos desde o dia 18 — afirma Souza.

Na última sexta-feira, o diretor do Departamento de Execução Penal da Susepe, Ângelo Carneiro, afirmou, em entrevista à imprensa, que a intenção era solucionar a superlotação das delegacias da Região Metropolitana até o fim daquele dia. Ele anunciou que iria tentar abrir até 60 vagas em presídios, buscado acelerar, na Justiça, a liberação de alvarás de soltura e progressões de regime de outros presos.

O delegado Souza diz que não tem controle das vagas liberadas, mas garante que a situação não foi normalizada conforme o prometido e que a situação pode piorar.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *