O aluno do curso de formação do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, Rodrigo Claro, de 21 anos, faleceu por volta das 22:30 desta terça-feira (15), no hospital Jardim Cuiabá. Ele estava em coma na Unidade de Terapia Intensiva, após passar mal em uma aula prática na tarde de quinta-feira (10), na Capital.

Segundo denúncias, o aluno sofreu afogamento por parte de uma instrutora durante treinamento realizado na Lagoa Trevisan. Após reclamar da exaustão ele havia sido dispensado e teve convulsões quando já foi encaminhado em estado crítico ao Jardim Cuiabá.

O Muvuca Popular entrou em contato com a mãe do aluno, Jane Claro, que mora em Tangará da Serra e a mesma disse que seu filho havia enviado mensagem de texto avisando que algo poderia acontecer com ele, pois a tenente que dava instrução o ameaçava.

Colegas de Rodrigo Claro disseram que ele foi torturado “Ele levou vários ‘caldos’ (quando a pessoa é forçada a ficar embaixo d’água) e chegou a reclamar que não estava passando bem. Mas os caldos continuaram e ele só foi tirado da água quando não aguentava mais. E ainda o mandaram ir embora, que era para ele sumir de lá”, disseram.

Informações de outros alunos dão conta que o treinamento se dava na base da tortura, tratamento desumano, degradante e levado à exaustão quando então finaliza com afogamentos.

O corpo do aluno está sendo levado neste momento ao IML para fazer autópsia.

ATUALIZAÇÃO (08:30): O corpo de Rodrigo Claro chegou às 01:20h no IML, e até até as 08:30 da manhã desta quarta-feira (16) não havia sido liberado da necrópsia por falta de luvas cirúrgicas estéreis. O governo do estado havia comunicado que comprou essas luas especiais na semana passada, quando um outro corpo chegou a passar 12 horas esperando para ser liberado, no entanto o Instituto alega que não tem e terá que pedir emprestado para uma instituição particular, caso queira que se libere o corpo. O Muvuca Popular entrou em contato com a mãe de Claro, que já abalada disse estar sofrendo duas vezes por não saber o que fazer.

ATUALIZAÇÃO (12:00hs): Em mensagem de texto enviado por Rodrigo Claro a sua mão, antes de ir para o treinamento da morte, ele expôs o medo que sentia da tenente-instrutora que o teria afogado. No texto sua mãe se mostra apreensiva:  “Do jeito que vc fala parece que está até desistindo”, diz Jane Claro.

Rodrigo avisa sobre sua sentença: “Eu to meio que prometido já”

A mãe tenta amenizar: “O que te falaram filho? … Tudo isso é somente pressão”

Rodrigo revela o motivo de seu medo: “A Ten. (Ledur) tá pegando no meu pé… e hoje ela vai tá lá… por isso fico com medo.

VELÓRIO: O corpo de Rodrigo Patrício Lima Claro será velado no Batalhão dos Bombeiros, no bairro Verdão em Cuiabá, das 15:00hs às 17:30hs, depois segue para Tangará da Serra no Helicóptero do Ciopaer, e amanhã segue para Sinop onde será sepultado. Os demais alunos continuam em instrução no Coxipó do Ouro, sem direito a despedirem do amigo.

O governo do estado não emitiu sequer uma nota de pesar sobre o ocorrido.  Os Bombeiros, por sua vez, declarou de forma sucinta que está dando todo apoio a família. Veja

NOTA:

É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do aluno do 16º Curso de Formação de Soldados, Rodrigo Claro.De acordo com laudo preliminar da Politec, a causa da morte é indefinida e um novo laudo será emitido no prazo de 15 dias.

O velório acontecerá em Cuiabá, no 1º Batalhão de Bombeiros Militar, das 14h às 16h30. Em seguida o corpo segue para Tangará da Serra, onde será velado até às 7h, do dia 17.11. E por fim, será levado para Sinop, onde ocorrerá o sepultamento.

A Corporação já designou um Coronel como encarregado do Inquérito Policial Militar para apuração dos fatos, permitindo assim que não paire qualquer dúvida sobre os acontecimentos. O Corpo de Bombeiros Militar está prestando todo o apoio à família do militar para as providências necessárias do translado, velório e sepultamento.

Qualquer fato novo sobre o caso será divulgado pela Corporação.