Schirmer estima seis meses para resolver impasse que mantém presos em delegacias e viaturas no RS

Secretário da Segurança Pública confirmou que centro de triagem com a locação de contêineres pode estar funcionando até o fim do ano. Foto: Jessica Moraes
Secretário da Segurança Pública confirmou que centro de triagem com a locação de contêineres pode estar funcionando até o fim do ano. Foto: Jessica Moraes

Secretário da Segurança Pública confirmou que centro de triagem com a locação de contêineres pode estar funcionando até o fim do ano

Diante da maior crise de superlotação das penitenciárias gaúchas, o que leva presos a serem mantidos em delegacias e até viaturas – situação inédita até então -, o secretário estadual da Segurança, Cezar Schimer, estimou hoje que o problema se resolva em breve. Ele espera não ter mais detidos mantidos em carros das forças policiais até o fim do ano. O titular da Pasta disse ter pressa, mas avaliou que a burocracia do serviço público gera morosidade.

Desde outubro, a falta de vagas também em delegacias força a custódia de detentos em viaturas da Brigada Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal. Conforme Schirmer, uma resolução definitiva para o impasse vai ocorrer em meados do próximo ano. “As soluções definitivas vão demorar seis meses. Não é assim para liberar vagas em presídios. Lugar de preso é na prisão porque a delegacia é local de investigação, não de detenção”, ressaltou, em entrevista para o A Cidade É Sua.

Mais de 5,5 mil detentos ingressaram no sistema carcerário desde o início do governo Sartori. Com isso, o objetivo é instalar centros de triagem. “Estamos trabalhando na emergência. Temos três alternativas. A mais faladas delas é dos contêneires. Tem que ser uma alternativa para já, não para daqui um ano”, ponderou.

A alternativa do uso de contêineres vem do estado de Santa Catarina, onde a medida deu resultado positivo. A expectativa é de que a solução possa ser adotada até o fim do ano. O custo estimado do contrato para instalar cerca de 200 detentos provisoriamente em contêineres é de aproximadamente R$ 1 milhão.

O secretário chegou a citar o exemplo do prefeito de Nova York, que contratou um navio e manteve os presos por um período no porto. “Se eu tivesse um navio, utilizaria.  Por que não? Precisamos de criatividade e queremos soluções imediatas”, disse.

Até o fim de novembro, Schirmer prevê inaugurar o Presídio Feminino de Lajeado, construído pela comunidade. Além disso, estima que a permuta do prédio da FDRH com a companhia Zaffari resulte na construção de vagas em Porto Alegre no próximo ano. A rede de supermercados se comprometeu em construir cadeias de pequeno porte, uma delas em Porto Alegre.

Já o presídio de Canoas deve ser totalmente inaugurado até julho do ano que vem. Estado e prefeitura de Canoas dizem ter ainda 14 problemas pendentes de solução, caso da rede de esgotos, por exemplo.

Parcelamento

Com a possibilidade de realização de mais um aquartelamento de policiais militares, um ano após o primeiro movimento do tipo, Schirmer disse ter sugerido a Sartori que os policiais que recebem menos tenham o salário pago em dia. “Já sugeri ao governador, mas isso precisa ser discutido internamente”.

Fonte:Samantha Klein/Rádio Guaíba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *