PIONEIRO: Casas construídas para policiais estão abandonadas em Farroupilha

Casas localizadas no bairro América tiveram janelas e outros itens furtados Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Sem moradores, os imóveis são frequentemente atacados por vândalos e utilizados para o consumo de drogas

Pioneiro

Das cinco casas populares construídas para policiais militares de Farroupilha, quatro estão literalmente abandonadas há mais de um ano. Os imóveis, que ficam na Rua Raimundo Arrosi, bairro América, foram feitos com recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social (PSH), da Caixa Econômica Federal, em terrenos cedidos pela prefeitura. Além de não ter moradores, as residências também não possuem qualquer tipo de segurança, como grades, por exemplo. O descaso com os imóveis, construídos em 2009, facilita a ação de vândalos, que já furtaram objetos e diariamente ocupam os espaços vazios para o consumo de drogas.

O principal objetivo das moradias era incentivar a permanência de policiais na cidade, garantindo maior economia já que não precisariam gastar parte do salário com aluguel. Porém, o que aconteceu foi justamente o contrário: hoje, as casas estão em nome de PMs que moram em outra cidade ou optaram por viver em outro imóvel. Em muitos casos, por causa do abandono, as casas tiveram itens roubados, como tomadas, torneiras e trincos das portas. Algumas janelas nem existem mais e, no entorno, o mato cresceu.

— Essas casas já foram habitadas, só que por não possuírem cerca e uma estrutura melhor, os policiais não desejam morar ali. Eles preferem receber o auxílio-moradia oferecido pela prefeitura e viver em locais que ofereçam mais segurança para a sua família — conta o comandante da Brigada Militar de Farroupilha, major Luiz Fernando Becker.

Conforme o policial Paulo Clavijo, 39 anos, morador da única casa habitada no bairro América, a manutenção do imóvel é por conta do proprietário.

— A casa está em meu nome, por isso investi aqui. Coloquei cerca em todo o terreno e estou sempre mantendo a casa da melhor forma possível para viver com a minha família. Assim também evito de gastar com aluguel — explica Clavijo, que desde 2014 vive no local.

Por estarem registradas no nome dos policiais que já viveram no imóvel, a
O Pioneiro tentou contato com a prefeitura de Farroupilha para saber quanto foi investido na construção das residências e se já existem planos para resolver o problema. Mas, não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Investimento

Outras cinco casas para policiais foram construídas no bairro São José, também em Farroupilha. Porém, com uma diferença: as residências estão todas ocupadas. Erguidas no mesmo terreno, diferente do que aconteceu no bairro América, as casas ainda contam com cerca e grades.

Deixe uma resposta