Projeto aumenta custos com servidores da Assembleia

Depois de conseguir manter o seu orçamento intacto, com a derrota do projeto do Executivo que condicionava o repasse dos duodécimos aos demais poderes à receita real, a Assembleia Legislativa prepara-se para votar um projeto que cria um custo previsto de R$ 1 milhão, ao alterar a progressão de carreira para os servidores do próprio Legislativo, e criar CCs (cargos em confiança).

O projeto da Assembleia prevê novas regras para progressão funcional dos servidores, custo previsto de R$ 988 mil em 2017. Em 2018, o custo da nova progressão chega a R$ 1,1 milhão e, em 2019, a R$ 1,6 milhão. Para chegar à votação em Plenário, o projeto ainda precisa de acordo de líderes.

JORNAL O SUL

TRENZINHO DA ALEGRIA EM MEIO AO PACOTE

Faz sentido um governo que encampa o discurso de crise financeira e encaminha um pacote com medidas de ajuste fiscal com extinções de órgãos públicos, inclusive aprovar um projeto que criará despesa extra de R$ 30 milhões por ano? Pois foi isso que ocorreu na Assembleia na semana passada, em meio à votação do pacotaço do Executivo.

Uma emenda assinada pelo líder do governo, Gabriel Souza (PMDB), e aprovada pelo plenário, permitirá que os papiloscopistas tenham os salários dobrados ao serem equiparados aos peritos criminais. A emenda foi protocolada em meio à discussão de um projeto do Executivo que alterava o regime de dedicação exclusiva dos funcionários do Instituto-Geral de Perícias (IGP). À primeira vista, parecia algo inocente, já que apenas alterava a nomenclatura dos papiloscopistas, chamados agora de peritos papiloscopistas. Na prática, trata-se de um aumento salarial disfarçado.

Nos bastidores da Assembleia, a tese para a aprovação do texto, que teve o voto contrário apenas de Marcel van Hattem (PP), é de que um deputado pressionou o Piratini e condicionou o seu apoio ao pacote à aprovação da emenda por ter interesses pessoais com ela. ZH procurou o deputado Sergio Peres (PRB) para ouvir as suas explicações, mas não o encontrou até o encerramento desta edição.

– Foi surpreendente, uma emenda que chegou em cima da hora. Votei contra porque está sendo criada uma vantagem indevida em relação ao que foi proposto no concurso público. Creio que é inconstitucional e creio que o governador vai vetar – afirma Van Hattem.

O valor que será desembolsado para pagar os 320 papiloscopistas promovidos às vésperas do Natal seria suficiente para manter ao ano a Fundação de Economia e Estatística (FEE) e os seus 180 funcionários, por exemplo, ou a Fundação Piratini (TVE e FM Cultura) e 247 empregados.

É fundamental que a base do governo (e os deputados da oposição, que também votaram a favor) esclareçam afinal qual foi o acordo que permitiu a votação de um projeto que aumenta despesas em R$ 30 milhões enquanto ceifavam 11 órgãos públicos e mais de 1,2 mil empregos nas sessões da última semana.

ALIÁS

A oposição ao governo, tão implacável com projetos que extinguiam órgãos públicos, fechou os olhos para a criação de uma despesa de cerca de R$ 30 milhões por ano no Executivo.

ZERO HORA

1 Comentário

  1. Quem não sabe que a dita crise é só um engodo do governo,enquanto uns passaram o natal sem ter o que comer na mesa,os ditos governantes se regozijaram,são psicopatas sociais tendo orgasmos com o sofrimento alheio.

Deixe uma resposta