FOLHA DE SP: Crise afeta segurança e gera ‘medo de morrer’ no Rio Grande do Sul

Homicídios violentos na rotina

Crise afeta segurança e gera “medo de morrer” no Rio Grande do Sul

PAULA SPERB COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM PORTO ALEGRE (RS)

Luiz Fernando Schilling, 29, foi assassinado a facadas em um assalto ao defender a irmã. Cristine Fonseca Fagundes, 44, levou um tiro na cabeça enquanto esperava o filho de 10 anos sair da escola. A filha mais velha estava no carro e viu a mãe morrer. Antonio Cascaes Martins, 78, morreu com um tiro no peito enquanto trabalhava na sua barbearia, um ofício de 50 anos.

Homicídios como esses, ocorridos em 2016, em Porto Alegre, aumentaram 128% no Rio Grande do Sul na comparação do primeiro semestre de 2010 com o primeiro semestre de 2016 –de 39 para 89. Se comparado aos seis primeiros meses do ano passado, esse tipo de crime cresceu 35%.

O Estado vive uma crise de segurança pública sem precedente, com corpos degolados nas ruas, disputa entre facções, superlotação de presídios e detentos algemados em lixeiras por falta de vagas nas carceragens. O Presídio Central, que já foi rotulado como o pior do país, tem 4.700 detentos para 1.800 vagas.

Dois homens detidos na madrugada de quarta-feira, em Porto Alegre, foram algemados em uma lixeira

Com a crise nacional do sistema carcerário, o presidente Michel Temer (PMDB) anunciou um presídio federal de segurança máxima no Estado, ainda sem data e local para início das obras. A desmotivação de policiais militares e civis agrava a situação. O governador José Ivo Sartori (PMDB) tem pedalado os salários dos servidores, através de parcelas, há um ano. Para tentar diminuir o deficit, Sartori enviou à Assembleia um projeto que extingue órgãos –os deputados já aprovaram o fim de três secretarias e oito fundações.

POLICIAIS INSATISFEITOS

Desde 2015, policiais civis fizeram diversas greves, e os militares ficaram “aquartelados” (dentro dos quartéis) porque são proibidos, por lei, de fazerem greve. “É tenebroso [o parcelamento]. O pessoal fica sem vontade [de trabalhar] e só faz o básico”, diz Fábio Castro, vice-presidente do Ugeirm (Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia).

Por causa da crise das finanças gaúchas, não há perspectiva de regularizar o pagamento dos salários em curto prazo. À Folha, a Secretaria Estadual da Segurança informou que, apesar dos parcelamentos, os policiais estão recebendo o reajuste salarial que foi determinado no final do governo anterior, de Tarso Genro (PT). Só neste ano, 2.889 policiais militares deixaram o serviço público, segundo o presidente da Abamf (Associação dos Servidores de Nível Médio da Brigada Militar), Leonel Lucas. Nas ruas, são 16 mil policiais. Há dois anos, eram 23 mil. Para compensar o deficit, a Secretaria informa que 1.900 policiais aprovados em concurso já estão em formação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *