Diário de Santa Maria: BM de Santa Maria conta equipe de motos para agilizar atendimento

11 policiais estão habilitados para patrulhamento com os veículos 

Nem é preciso estar em um dos horários de pico – início da manhã ou final da tarde – para ficar trancado no trânsito de Santa Maria, principalmente, na área central. Todas as características que fazem do Centro o lugar de maior movimento da cidade – concentração de estabelecimentos comerciais, grande circulação de pedestres e fluxo intenso de veículos em busca de prestadores de serviços – também são fatores que chamam a atenção dos criminosos para o cometimento de furtos e roubos.

É para atender a esse contexto, prevenir crimes e empreender agilidade no atendimento de ocorrências que a Brigada Militar (BM) tem uma equipe especializada: a Ronda Ostensiva Com Apoio de Motos (Rocam).

As motos têm uma vantagem evidente sobre os outros veículos da BM: a possibilidade de circular por locais onde os carros e caminhonetes não passam. Conseguir sair em uma perseguição sem ficar parado em um congestionamento é essencial no perímetro central.

– Alguns fatores nos levam a empregar um efetivo como a Rocam, como a mobilidade. Isso permite uma pronta resposta e uma redução no tempo de chegada ao local da ocorrência – diz o capitão Edimilso Pereira, que responde pelo 1º Esquadrão da BM, responsável pelo policiamento no Centro.

Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

Além disso, a presença dos policiais e das motos, frequentemente vistos no Calçadão Salvador Isaía, também ajuda na prevenção de crimes e serve para aumentar a sensação de segurança da população que trabalha ou transita pelo local. O posicionamento no Calçadão é estratégico para o deslocamento das viaturas para qualquer um dos lados da cidade.

Conforme o sargento Damião Rodrigues Borba, da Rocam, a legislação permite à BM, quando em serviço, passar sobre calçadas e transpor garagens de edifícios, por exemplo, cortando caminho na busca por suspeitos.

Atualmente, 11 policiais são habilitados para atuarem com as 10 motocicletas da Rocam. As equipes, em geral, andam em grupos de três motos. A atividade é considerada de alto risco pela BM, já que, além de pilotar a moto, o policial utiliza armamento e desloca-se para locais de busca e enfrentamento, ficando exposto no veículo.

– Tivemos uma reestruturação em fevereiro, quando passamos a ter um grupo especializado em motocicletas. Mas é preciso gostar de moto, porque as condições são adversas: frio e calor. Nos expomos muito mais do que dentro de viaturas – declarou o sargento sobre o perfil dos policiais.

A BM credita à Rocam a diminuição dos índices de furtos e roubos na área central de Santa Maria.

EM DETALHES

Confira a estrutura da equipe da Rocam em Santa Maria:

Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

Deixe uma resposta