Estadão: Temendo rebeliões, governo desiste de acabar com auxílio-reclusão

O corte no benefício era um desejo da equipe econômica porque geraria uma economia de R$ 600 milhões em 2018

Andreza Matais e Naira Trindade Estadão

SINAIS PARTICULARES – MICHEL TEMER
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

O presidente Michel Temer recuou da intenção de acabar com o auxílio-reclusão, benefício concedido às famílias de presidiários que contribuem para o INSS. Na reunião de domingo à noite, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, convenceram Temer a desistir da proposta a fim de evitar rebeliões nos presídios.

O corte no benefício era um desejo da equipe econômica porque geraria uma economia de R$ 600 milhões em 2018, segundo dados do Ministério da Fazenda. Um ministro ouvido pela Coluna alegou ter alertado que não havia sentido manter o benefício diante da atual situação fiscal do País, mas perdeu a queda de braço.

1 Comentário

  1. PELO AMOR! esse cidadão ta d brincadeira,se fosse para cortar os salários dos policiais ele seria o primeiro a assinar,e iria dar aquela desculpa de sem-vergonha(a população vai entender!,temos q tomar um remédio amargo).talvez seja uma” alto defesa”,o dia d amanha a família dele pode ser beneficiada com auxilio, quando ele for entrar em cana!

Deixe uma resposta