Cartazes com fotos de foragidos começam a ser afixados em Esteio

Lançamento da campanha permanente ocorreu ontem (11) na Secretaria de Segurança

Renata Strapazzon Jornal NH

Lançamento da campanha permanente ocorreu ontem (11) na Secretaria de Segurança

Dez meses depois de ser aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores de Esteio, o projeto do vereador Sandro Severo de divulgar em espaços públicos fotos de foragidos e procurados da Justiça começou a ganhar as ruas da cidade. O primeiro cartaz, com as imagens de 21 criminosos foi afixado no mural da Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana em cerimônia que contou com a presença de autoridades políticas e policiais. No total, 20 deles serão espalhados, primeiramente, em repartições públicas do município.A confecção dos cartazes é financiada pelo Conselho Comunitário Pró-Segurança Pública (Consepro), Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Esteio (Acise) e Câmara de Dirigentes e Lojistas (CDL). Cada cartaz tem o custo de aproximadamente R$ 5. Antes de sair do papel, a iniciativa, inédita no Estado, foi apresentada à Corregedoria Geral da Justiça, à chefia da Polícia Civil e ao empresariado da cidade. Conforme Severo, pelo menos oito municípios, entre eles São Leopoldo e Canoas já demonstraram interesse em compartilhar a idéia.

“Entendemos que além de gerar a participação da comunidade, outro fator importante dessa, que será uma campanha permanente, é fazer com que as pessoas tenham acesso à informação. Muitos desses procurados podem estão entre nós sem que saibamos”, comenta o vereador proponente do projeto.

Para o titular da Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana, Roberto Damasceno Rodrigues, a divulgação das fotos em locais públicos poderá auxiliar na identificação de autores de outros crimes. “É um projeto inovador com o qual as pessoas podem não só fazerem a denúncia como identificar autores de crimes que elas mesmas foram vítimas.A campanha vem em boa hora, num momento em que a comunidade está cada vez mais participativa na questão da segurança pública. E nosso município é privilegiado em relação a isto”, opina.

“A sociedade tem o direito de saber quem são os procurados”

As imagens reproduzidas nos cartazes serão apenas de criminosos julgados e condenados. Em Esteio hoje são pelo menos 24 os que estão nestas condições como foragidos. Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), o delegado Fábio Motta Lopes, acompanhou a cerimônia de lançamento da campanha e elogiou a iniciativa. “A segurança pública é uma responsabilidade de todos. No momento em que se divulga a foto, a informação vem. Será um trabalho integrado entre todos que terá uma importância fundamental no combate a criminalidade. Além disso, a sociedade tem o direito de saber quem são os indivíduos procurados na cidade”, afirma.

De acordo com o comandante do 34o Batalhão de Polícia Militar (34o BPM), o major Rogério Pereira Martins, 70% os crimes são cometidos por delinquentes reincidentes, grande parte deles foragidos do sistema carcerário. “A distribuição dos cartazes é uma ferramenta à disposição da nossa comunidade, que multiplicará os olhos dos organismos policiais”, diz.

Atualização semanal 

Os locais que receberem os cartazes serão mapeados para que as peças sejam atualizadas semanalmente. Sobre a foto daqueles criminosos localizados será colado um adesivo informando que ele foi preso. Na cerimônia ontem (11), umas das imagens recebeu o selo. Um dos procurados foi detido pela Brigada Militar na semana passada. O prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal, ressaltou a responsabilidade do município em manter as informações atualizadas.

“A campanha faz com que as pessoas cumpram seus papéis de cidadãos. A segurança pública, ainda que um dever do Estado, é responsabilidade de todos nós. Por isso, nosso compromisso em mantermos as informações atualizadas e fidedignas”, destaca. “Nossa intenção é ampliarmos o número de locais de abrangência da campanha. Queremos tornar Esteio um ambiente inóspito a criminalidade. Os números de 2017, quando tivemos redução de quase todos os indicadores criminais nos mostram que estamos no caminho certo para isso”, pontua Pascoal.

 

Deixe uma resposta