Piratini vai buscar alternativas aos municípios que perderem policiais durante a Copa

172
Foto: Tadeu Vilani  / Agencia RBS
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Cerca de 2 mil PMs serão transferidos do Interior do Estado para Porto Alegre durante os jogos 

O Governo do Estado e a Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) irão se reunir em audiência, na próxima semana, para buscar alternativas aos municípios que terão policiais militares transferidos para Porto Alegre durante os jogos da Copa do Mundo.  Segundo a assessoria de imprensa do Piratini, o encontro deve ocorrer na quarta-feira (30).

Para que os militares possam atuar na Capital durante o evento, o Governo suspendeu as férias de 3.766 PMs entre 15 de março e 15 de julho, mas apenas 2 mil serão deslocados a Porto Alegre. Por esse motivo, não haverá prejuízos os municípios do interior, conforme defende o comandante-Geral da Brigada Militar, coronel Fábio Duarte Fernandes:

“O planejamento da Brigada não vai retirar policiais para trazer para Porto Alegre, né? Ele vai utilizar um sistema de gestão onde nós suspendemos as férias dos servidores e aí, então, os servidores virão para Porto Alegre e, ao invés de estar em férias, eles estarão trabalhando”, ressalta.

O coronel Fábio Duarte Fernandes afirma ainda que os militares que tiveram as férias suspensas irão tirá-las até o final de 2015. O presidente da Farmurs e prefeito de Santo Ângelo, Valdir Andres, critica a medida e diz que, mesmo com a utilização apenas de PMs que deveriam estar em férias, os municípios ficarão desprotegidos quando as folgas dos policiais tiverem de ser compensadas:

“Eles vão transferir de um mês para o outro. Então, no outro mês os soldados estarão em férias. Não estarão em férias na Copa, mas vão estar no outro mês. Quer dizer: as férias vão ser simples transferências. Então isso aí não muda nada. Os municípios ficarão sem soldados quando eles tirarem férias”, critica.

Os militares transferidos do Interior do Estado para Porto Alegre serão oriundos dos batalhões e pelotões de Operações Especiais. Ao todo, cerca de 12 mil policiaisdevem ser utilizados na Capital durante os jogos da Copa do Mundo.

Fonte: Radio Gaúcha