Policiais salvam bebê de 14 dias engasgado em Alvorada

210

16901038Luísa se engasgou enquanto mamava na noite desta segunda

Quando os policiais militares Martins e Mallet chegaram à casa dos Meregali, no bairro Americana, em Alvorada, pelas 23h30min de segunda-feira, Luísa estava sem ar, com a pequena boca já roxa.

Pouco antes, a bebê de apenas duas semanas de vida mamava tranquilamente quando se engasgou. Os pais ligaram para o 190 e, quando os brigadianos chegaram, não havia mais tempo para esperar pelo Samu: era preciso salvar Luísa.

— O pai da menina estava com ela de bruços, tentando desafogá-la. Mas ela estava com a pele bem escura, então decidimos nem esperar a ambulância — conta o soldado Martins.

Colocaram Luísa na viatura e correram para o Hospital Municipal de Alvorada  — Mallet ao volante, Martins no banco de trás, tentando reanimar a menina com massagem cardíaca (veja no fim da matéria como proceder nesses casos). O pai acompanhou a filha no carro, enquanto a mãe seguia a viatura em outro veículo. A caminho do hospital, Luísa começou a reagir.

— Fui fazendo a massagem e consegui notar que ela voltou a fazer esforço para respirar. Era uma respiração difícil, o peito roncava, mas ela tinha voltado a respirar — narra o policial.

Quando já estavam próximos ao hospital, encontraram a ambulância do Samu. Desceram da viatura e entregaram a menina para os especialistas. A equipe médica finalizou o atendimento, conseguindo desobstruir a via respiratória da pequena Luísa.

— Ver um bebê voltando a viver nos teus braços é uma sensação que nenhum outro tipo de ocorrência te permite. É indescritível o que senti ao ver ela chorando, reanimada — afirma um comovido Martins, que nunca havia atendido um caso parecido.

Luísa é a primeira filha da assistente financeira Magda, 28 anos, e do assistente de marketing José Luís Meregali, 27 anos. Na manhã desta terça-feira, por volta das 7h30min, Magda conversava com Zero Hora por telefone e Luísa chorava ao fundo. 

— Tá ouvindo? — perguntou Magda.

Ainda bastante emocionada, depois dos longos instantes de pânico vividos na noite passada, a mãe de primeira viagem tinha o tom de alívio na voz. E não conseguiu dizer nada além disso:

— Foi um susto horrível.

Soldado Martins realizou massagens cardíacas dentro da viaduta
Foto: Divulgação / Brigada Militar

Como agir em casos de insuficiência respiratória:
 



* Zero Hora