BM não comparece em audiência pública para discutir presença da própria BM nos estádios

157
Foto: Eduardo Matos
Foto: Eduardo Matos

Além de não enviar representante, Corporação também não justificou ausência

Durante quase três horas, a ação da Brigada Militar nos estádios do Rio Grande do Sul foi discutida em audiência pública na Assembleia Legislativa. Mas a corporação, que havia confirmado presença, não enviou representante e nem justificou ausência. Foi criticada pela deputada Manuela D’Ávila, do PC do B, que presidia os trabalhos e outros participantes. Dois temas centrais foram tratados: as ações consideradas truculentas de alguns PMs com torcedores e a a polêmica da presença ou não dos brigadianos dentro dos estádios e se isso deve ou não ser pago pelos clubes. Vítimas de abusos por parte de PMs foram ouvidas. Um bancário que perdeu a visão do olho direito e está perdendo do olho esquerdo em consequência de um tiro de bala de borracha que partiu da arma de um PM em 2013 em Frente à Arena e os pais do torcedor do Novo Hamburgo morto com um tiro no início do ano em ação da Brigada Militar em São Leopoldo. A deputada Manuela D’Ávila propôs um novo encontro para debater o tema, desta vez com a presença da Brigada, e disse ainda que tentará ampliar o debate com o novo ministro da Secretaria de Direitos Humanos, o gaúcho Pepe Vargas. A Rádio Gaúcha aguarda retorno da Brigada Militar.

Rádio Gaúcha