Especialista em segurança critica postura de policiais que cantaram no Oeste de SC

194
Motorista e soldado fardado entoam a canção "Assino com X", da dupla sertaneja Gilberto e Gilmar Foto: Reprodução / Arquivo pessoal
Motorista e soldado fardado entoam a canção “Assino com X”, da dupla sertaneja Gilberto e Gilmar
Foto: Reprodução / Arquivo pessoal

Comentários nas redes sociais apoiam atuação dos soldados de Campo Erê

Um vídeo inusitado de um policial militar tocando violão e cantando ao atender uma ocorrência, em Campo Erê, no Oeste de Santa Catarina, gerou debate sobre a atuação da PM. Enquanto especialista em segurança e representante da corporação criticam a postura dos policias, a grande maioria dos comentários nas redes sociais apoia a ação. Eles defendem o que seria uma atitude mais “humanizada” dos soldados.

Para o especialista em segurança Eugênio Moretzsohn, o policial em serviço e os demais servidores públicos devem priorizar a sobriedade em suas ações:

— A sobriedade é um misto de seriedade, eficiência, discrição e educação. É preciso se comportar assim em todas as horas.

Ele pondera que a imagem da cantoria pode soar “isenta de gravidade”, porém revela algumas falhas graves, como falta de preparo; imaturidade; falta de liderança e falta de comprometimento com o dever.

— As guarnições envolvidas na ocorrência se comportaram de maneira leviana, imaginando que não teriam consequências. Hoje, com a velocidade das redes sociais, qualquer imagem pode comprometer carreiras. A essência da missão policial é proteger a vida e não ficar tocando violão na estrada à noite — defende.

Sérgio Luis Sell, chefe da Comunicação Social da PM, afirma que a atitude dos soldados não é exemplar nem usual dentro da corporação. Por isso, o caso está sendo apurado e os policiais podem sofrer de uma advertência a detenção. A segunda possibilidade é improvável, já que nenhum outro tipo de conduta irregular foi apurada, afirma.

— Já fui informado de que são bons policiais, inclusive cantam razoavelmente bem, podemos dizer — brinca.

Um dos policiais de Campo Erê foi localizado pelo Diário Catarinense, mas não comentou o assunto.

ZERO HORA