Brigada Militar deve perder cerca de mil policiais em 2015

139
O Estado está próximo de, pela primeira vez em sua história, ter mais policiais mil aposentadorias Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS
O Estado está próximo de, pela primeira vez em sua história, ter mais policiais mil aposentadorias
Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS

Pela primeira vez, o Río Grande do Sul está perto de ter mais policiais militares aposentados que na ativa

Diante da histórica falta de efetivo e dos decretos do governo que impedem a nomeação de concursados, a Brigada Militar vê com apreensão o avanço nos pedidos de aposentadoria na corporação. As informações são da Rádio Gaúcha.

Nos primeiros meses deste ano, foram 436ingressos na reserva. A quantidade é inferior à registrada em 2014, quando foram 534 registros no Diário Oficial. O problema é o que vem pela frente: estão em processo 783 solicitações.

Em entrevista ao Gaúcha Atualidade nesta segunda-feira, o diretor do Departamento Administrativo da Brigada Militar, tenente-coronel Cléber Goulart, confia que haverá convocação dos concursados após o fim dos decretos de contenção de gastos, mas admite a preocupação com o encolhimento do efetivo. Na metade do ano passado, a corporação contava com 22.450 policiais. Hoje, são 21.507.

O Rio Grande do Sul também está próximo de, pela primeira vez em sua história, ter mais policiais militares aposentados do que na ativa. Atualmente, são 21.318 inativos.

*Rádio Gaúcha

MIL PMs A MENOS EM UM ANO

IMAGEM ILUSTRATIVA

IMAGEM ILUSTRATIVA

Não é por acaso que a sensação de insegurança tem aumentado nos últimos meses no Rio Grande do Sul. Um fato que tem contribuído para a onda de episódios violentos, com uma série infindável de ataques a bancos, assaltos e latrocínios à luz do dia, é a redução do número de policiais militares no Estado. A falta de reposição para aposentadorias e exonerações de policiais militares devido à suspensão das nomeações por meio dos decretos de cortes de gastos representou, para o já defasado efetivo da Brigada Militar, a perda de quase mil brigadianos em um ano. Em junho do ano passado, a corporação contava com 22.450 pessoas. Agora, são 21.507, 943 a menos, sendo 433 desde janeiro.

Amarrada pelos decretos do governador José Ivo Sartori, a Secretaria da Segurança Pública não pode assinar as nomeações dos mais de 2,5 mil policiais militares e bombeiros aprovados no último concurso. A resposta do governo para amenizar a redução de efetivo é historicamente a mesma: PMs que atuam em funções administrativas serão deslocados para o policiamento ostensivo. O problema é que essa medida parece ser inócua, já que a população não observa aumento da presença da BM nas ruas.

Não é segredo para ninguém que a crise financeira, que tem exigido uma ginástica financeira do Estado para manter os salários em dia, afeta todos os setores do serviço público. Porém, o que ainda não está claro é a estratégia do governo para melhorar algumas áreas, entre as quais, a segurança.

No sábado, durante o ato do Dia D de Mobilização da Vacinação contra a Gripe, Sartori foi questionado sobre o assunto pela repórter Maria Eduarda Fortuna, da Rádio Gaúcha, mas se esquivou de responder. Mandou a jornalista conversar com o secretário Wantuir Jacini e saiu rapidamente do local do evento. A reação do governador, além de incompatível com a postura de um líder em meio a um momento de crise, repete o seu comportamento durante a campanha eleitoral, quando foi evasivo sobre propostas.

ALIÁS

O Rio Grande do Sul está próximo de, pela primeira vez em sua história, ter mais policiais militares aposentados do que na ativa. Atualmente, são 21.507 PMs trabalhando e um total de 21.318 inativos.

SECRETARIA CONTESTA FORTUNATI

A afirmação do prefeito José Fortunati sobre a necessidade de maior interação entre o Centro Integrado de Comando da Cidade (Ceic) da prefeitura e o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) foi contestada pela pasta.

Segundo nota da Secretaria da Segurança Pública, já existe um convênio entre o Estado e a prefeitura que permite aos policiais militares acessarem todas as câmeras de monitoramento da Guarda Municipal e da EPTC.

Na sexta-feira, o prefeito teve reunião com o secretário Wantuir Jacini para discutir melhorias na segurança de Porto Alegre.

ZERO HORA