“Evito sair de casa à noite”, diz chefe de Polícia sobre roubo de veículos

137
Chefe da Polícia Civil, Guilherme Wondracek, falou nesta segunda-feira à Rádio Gaúcha Foto: Emílio Pedroso  / Agencia RBS
Chefe da Polícia Civil, Guilherme Wondracek, falou nesta segunda-feira à Rádio Gaúcha
Foto: Emílio Pedroso / Agencia RBS

Guilherme Wondracek falou sobre insegurança e criticou o prende e solta de criminosos

Em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade nesta segunda-feira (22), o chefe da Polícia Civil, delegado Guilherme Wondracek, falou sobre o retrabalho policial com a prisão dos mesmos criminosos que acabam sendo soltos e confirmou que evita sair de casa à noite. Segundo ele, esta é uma realidade em todo o País devido aos assaltos.

“Do jeito que vai, nós vamos em breve… efetivamente não sair mais de casa. Eu evito sair de casa à noite e parar na rua”, relatou o chefe de Polícia ao se referir a sensação de insegurança ao estacionar os veículos à noite na rua. Ele também disse que isso se deve à sensação de impunidade que os bandidos têm em todo o Brasil.

Frustração
A Polícia gaúcha está comemorando a prisão no final de semana, em Sapucaia do Sul, de um dos maiores ladrões de veículos do Estado: Jocemar Takeuchi Navarro, o Japonês. Por outro lado, é a vigésima vez que o suspeito é preso e, segundo Wondracek, ocorre uma frustração com o retrabalho policial.

“Nas escutas telefônicas aparecem os presos falando, sempre um chavão: ‘Não dá nada, se der, dá bem pouquinho'”, destacou Wondracek.

Ele fez referência justamente ao fato de os bandidos entenderem que logo estarão soltos e este é o principal problema em relação ao Japonês. “Para os agentes, a pergunta é a mesma: quando ele vai ser solto mais uma vez?”.

O chefe de Polícia acredita que desta vez o bandido vai ficar preso por mais tempo pelo fato de ter sido prisão preventiva e contar crimes mais graves, como extorsão.

Investigação
Mas o retrabalho policial com a prisão dos mesmos bandidos gera outro problema. Apesar do efetivo reduzido, Wondracek disse que a investigação é adequada dentro das possibilidades do efetivo. Ele gostaria de fazer mais e reconhece que pequenos furtos e casos mais simples acabam sendo prejudicados devido aos crimes considerados mais graves.

GAÚCHA