Policiais doam alimentos e brinquedos para creche comunitária de Santa Maria

121
No lanche, policiais serviram cachorro-quente e refrigerante para a criançada Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS
No lanche, policiais serviram cachorro-quente e refrigerante para a criançada
Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

Alunos da Creche Criança Feliz foram contempladas pelo BOE

“Tio, vocês vieram nos prender?” Essa foi a primeira frase ouvida pelos cerca de 15 policiais do 2º Batalhão de Operações Especiais (BOE) da Brigada Militar, ontem, por volta das 14h, quando o pelotão chegou à Escolinha e Creche Comunitária Criança Feliz, na Vila Lorenzi, no bairro Lorenzi, em Santa Maria, para mais uma atividade em comemoração aos 15 anos do 2º BOE.

Os policiais levaram uma grande quantidade de presentes, como materiais de higiene, limpeza, alimentos, principalmente leite, brinquedos e até uma televisão. Além disso, no lanche da tarde, os alunos ganharam cachorro-quente e refrigerante. Para brincar, uma cama elástica e uma apresentação dos cães do Canil do BOE foram as atrações.

_ Queríamos que eles tivessem um dia diferente na vida deles. Como trabalhamos nas comunidades, tentando evitar ocorrências, muitas vezes eles nos enxergam na casa deles, ou próximo, fazendo trabalho de polícia. E, hoje (ontem), é a oportunidade de mostrar que somos do bem e que eles podem ter um futuro diferente. Estamos aqui para ajudar. Queremos tirar aquela imagem errada de truculência _ afirma o tenente Paulo Sérgio da Silva, que comandou a visita.

A diretora da escola, Danielli Tavares Dominguez, agradeceu aos policiais pela visita:

_ A gente sempre gosta que venham nos conhecer. Vendo as crianças e as necessidades delas, as pessoas veem a realidade extremamente pobre delas. Muitas famílias sobrevivem da cesta básica que doamos. Cada um passa uma coisa diferente para as crianças.

Escola sobrevive de doações

Prestes a completar seis anos, no dia 9 de setembro, a creche sobrevive de doações e do trabalho de voluntários, já que não tem nenhuma ligação com o poder público. A grande maioria das cerca de 50 crianças de dois a cinco anos que frequentam a creche é de famílias pobres e, por isso, faz praticamente todas as refeições na escola. A solução para manter tudo em dia é fazer rifas e jantares.

Mensalmente, voluntários passam de motocicleta na casa dos doadores, que ajudam com o que podem. A maior demanda é por leite, já que, além das refeições no local, nas sextas-feiras, as crianças levam dois litros de leite para casa. Quem quiser contribuir com doações deve entrar em contato pelo telefone (55) 3211-2275.

Para agradecer a visita, em coro, os pequenos soltaram o grito de “muito obrigado, voltem sempre”.

DIÁRIO DE SANTA MARIA