Assaltante morto por brigadiano estava em liberdade condicional

174
Foto: Inézio Machado/GES  Elton Luciano Pol, o Maninho, 28, morreu em tentativa de roubo dentro de loja de conveniência de posto
Foto: Inézio Machado/GES
Elton Luciano Pol, o Maninho, 28, morreu em tentativa de roubo dentro de loja de conveniência de posto

Comparsa de ladrão conseguiu fugir em carro roubado no bairro Industrial, em Novo Hamburgo

O corpo ficou em meio a prateleiras, com mercadorias ensanguentadas espalhadas pelo chão. Debaixo do rosto, o revólver usado no assalto, como se fosse travesseiro. A esposa e o pai chegaram meia hora depois. Aos prantos, queriam ver o cadáver, mas não podiam, porque a área estava isolada para perícia.
Foi o último crime de Elton Luciano Pol, o Maninho, 28 anos, que estava em liberdade condicional. Levou um tiro no peito quando roubava a loja de conveniências de um posto de combustíveis na Avenida Pedro Adams Filho, bairro Industrial, em Novo Hamburgo, na tarde de quarta-feira (30). Um brigadiano de folga evitou o assalto com a morte do ladrão.
Um Focus branco chegou em alta velocidade ao posto, por volta das 17 horas. O caroneiro desceu já de arma em punho e foi direto à loja de conveniências. Mandou a atendente entregar o dinheiro e deitar. Sem imaginar que fosse um soldado da Brigada Militar, o ladrão obrigou um cliente a também ir para o chão, mas o policial decidiu intervir. “Polícia, larga a arma”, gritou o PM.
PM deus dois tiros
O assaltante não obedeceu e levou um tiro no coração. Ao perceber que o Focus arrancava em fuga, o brigadiano deu outro disparo. A bala atravessou a janela da loja e perfurou o parabrisa do automóvel, que foi abandonado uma quadra adiante. O motorista conseguiu escapar. O carro, que tinha sido roubado na mesma tarde, foi apreendido.
Assustado, cliente fugiu com bomba engatada 
O pânico com os tiros fez um cliente do posto fugir com a pistola da bomba de combustível engatada no carro. Deixou para trás a tampa do tanque da Meriva e uma conta de 67 reais. “Ele estava com a mulher e uma filha pequena. Pensou em proteger a família. A bomba chegou a tremer quando arrancou a Meriva”, relatou outro cliente, um vendedor de 50 anos. “Ao sair da loja, eu cruzei com o assaltante, que estava entrando. Logo depois ouvi os tiros.” O soldado tem 35 anos e trabalha no 25o Batalhão de Polícia Militar de São Leopoldo.
A cem metros do posto, na noite de 28 de outubro, outro assaltante foi morto por um brigadiano de folga. Márcio Ismael Mannrich Padilha, 34, que estava em liberdade provisória, levou tiro no abdome depois de roubar 300 reais de uma farmácia. Correu 50 metros e caiu morto no estacionamento do mercado que fica ao lado do posto.

Estava em liberdade condicional

Maninho não obedeceu o PM e levou um tiro no peito
Foto: Divulgação/Polícia Civil Maninho não obedeceu o PM e levou um tiro no peito

Maninho ganhou liberdade condicional em novembro de 2013, quando estava no semiaberto por causa de roubo à mão armada de veículo em 2003, em São Leopoldo. Mesmo com a soltura, ele estava respondendo outro processo por roubo de carro, também em São Leopoldo. Era acusado ainda de receptação em Estância Velha.

Nas idas e vindas de presídios, fugiu pelo muro do presídio de Novo Hamburgo, em julho de 2011, e foi capturado no mês seguinte. Passou ainda por presídios de Charqueadas e o Central, de Porto Alegre. Nascido em Canoas, tinha como último endereço o bairro Liberdade, em Novo Hamburgo.
JORNAL NH