Brigadianos iniciam 2016 cobrando promoção de 1,2 mil praças

181
IMAGEM ILUSTRATIVA
IMAGEM ILUSTRATIVA

Categoria está preocupada com possível reedição do decreto de contenção de gastos do governo Sartori

Os brigadianos vão começar 2016 cobrando do governo do estado 1,2 mil promoções para os praças. De acordo com o presidente da Associação de Cabos e Soldados, Leonel Lucas, o número é alto porque houve um represamento das promoções no último ano, em função do decreto de contenção de gastos do governo Sartori. Segundo Lucas, a média prevista para 2015 era de 600 promoções e o mesmo índice é projetado para este ano, por isso, a quantidade exigida se justificaria. “Esta é a nossa principal exigência no começo do ano e o nosso alerta é de que faremos pressão, já que mesmo com o decreto vigente os oficiais tiveram o direito à promoção. O secretário da Casa Civil, Marcio Biolchi, já conhece nossa reivindicação e nos prometeu um retorno assim que voltar das suas férias”, adiantou.

O problema que gera o temor nos integrantes da Brigada Militar é que o Palácio Piratini ainda não decidiu se vai reeditar o decreto de contenção de gastos, que economizou R$ 1,07 bilhão aos cofres públicos ao reduzir os pagamentos de diária e horas extras, por exemplo. O secretário da Fazenda, Giovani Feltes, já adiantou que esta definição só vai ocorrer na segunda quinzena de janeiro. O alento é sobre a possibilidade do decreto ser reeditado com flexibilidade, permitindo concursos públicos e a convocação de aprovados para a Segurança Pública.

O representante da categoria ainda lamenta que não houve cursos de formação para sargentos e tenentes, em 2015, o que mais uma vez motiva a queixa de discriminação interna. “Nós precisamos retomar os cursos de formação urgentemente e nossos homens estão parados na progressão da carreira militar. Porque, mais uma vez, os oficiais tiveram cursos para capitão e tenente-coronel e o mesmo não acontece conosco ?”, questionou Lucas.

Na Casa Civil a informação é que o responsável pela pasta já esta trabalhando para atender, pelo menos, parte das reivindicações apresentadas.

Fonte:Voltaire Porto/Rádio Guaíba