Efetivo de salva-vidas terá redução dia 15

216

sdesComandante explica que a medida segue planejamento em relação às férias e ao Carnaval mais cedo

Profissionais que fizeram treinamento principalmente na primeira etapa para a Operação Golfinho deverão retornar a seus postos no dia 15 de fevereiro. A ordem de serviço assinada pelo major Roberto Canto Wilkoszynski, da 2ª SGSV de Tramandaí, foi apresentada ontem. Apesar da medida, poderá haver convocação para trabalharem aos finais de semana, ou seja, nos dias 19, 20 e 21 e 26, 27 e 28. Após o dia 15, o serviço de salvamento aquático deverá ser uma mescla de militares (os que ficarem) e civis. Em princípio, esta ordem atinge as praias de Imbé Sul, Imbé Norte, Tramandaí, Nova Tramandaí, Cidreira, Pinhal e Quintão. No entanto, salva-vidas que atuam em outras praias temem que a medida acabe atingindo todo o Litoral gaúcho, de Norte a Sul. Ainda não há um número definido de quantos serão desligados. Em Tramandaí, alguns salvavidas demonstravam desolação. “Sou dessa primeira turma, mas quem sabe?”, disse um dos integrantes da Operação Golfinho. O presidente da Associação dos Salva-vidas Militares do RS (Asavimer/RS), Renan Pradier, considerou que o ato seja mais um reflexo das medidas de economia do governo do Estado. O comandante dos salva-vidas no Litoral Norte, major Julimar Fortes, explicou que a redução segue um planejamento. De acordo com o oficial, a redução atingiria apenas os salva-vidas que atuam em águas internas (lagos, açudes e lagoas). Mesmo assim, acentuou Fortes, seria feito um estudo e, se fosse comprovada a viabilidade, as guaritas seriam desativadas e voltariam com for- ça nos finais de semana. “O planejamento leva em conta que o Carnaval é mais cedo e as aulas também começam antes”, disse. “Mas, em princípio, a redução seria apenas em águas internas, no Litoral, envolvendo talvez o efetivo de funções administrativas, que retornaria ao local de origem”. Na ordem de serviço expedida ontem, a região de redução de salva-vidas é o Litoral Norte.

BEIRA-MAR

BM faz alerta sobre bandeira pretabnu

O tempo bom, com sol, pouco vento e a água do mar propícia para um banho no último fim de semana lançou um alerta: veranistas não estão respeitando a bandeira preta, instituída nesta temporada para alertar a população. No último fim de semana, em Tramandaí, vários banhistas ignoraram a sinalização, que também está presente em Imbé, Capão da Canoa e Torres. A bandeira preta mostra que existe no local uma corrente de retorno, que pode gerar um afogamento e que há risco de morte. Ela deve ser colocada na areia e um salva-vidas, via de regra, orienta quanto aos riscos. Se colocada no topo da guarita, onde são hasteadas as bandeiras que fornecem as condições do mar (nas cores verde, amarela e vermelha), significará que a praia estará interditada. O comandante dos salva-vidas, major Julimar Fortes, considera que a obediência à bandeira preta passa por uma questão de conscientização e ele faz analogia ao cinto de segurança. Apesar disso, uma mulher de 30 anos, que saía da área sinalizada, disse que se trata de um impulso, mas ela garantiu que vai ficar mais atenta às orientações.

CORREIO DO POVO