Policiais de porta em porta para garantir a casa segura durante as férias

121
Foto: Inézio Machado/GES  Em quatro cidades da região, a Brigada Militar pode ir até a residência dos moradores verificar se está tudo 'ok'
Foto: Inézio Machado/GES
Em quatro cidades da região, a Brigada Militar pode ir até a residência dos moradores verificar se está tudo ‘ok’

Em quatro cidades da região, Brigada Militar faz vistoria nos endereços de quem viajou

O período de recesso escolar, férias coletivas em empresas e a temporada de verão nas praias, são os momentos em que boa parte da população aproveita para viajar. Seja para o litoral, serra ou mesmo para outro Estado ou País, o destino não importa. O sentimento de insegurança por deixar o lar sozinho para curtir com a família e amigos aparece mesmo antes de preparar as malas. E para evitar surpresas ingratas, o próprio morador precisa tomar algumas medidas para proteger sua casa. São ações simples que não deixam evidente aos bandidos a ausência.
Entre 31 de dezembro do ano passado e o dia 5 deste mês, foram 16 residências arrombadas em Novo Hamburgo. Em igual período no ano-novo de 2015, foram 18 casos registrados – uma queda de 11%. Para inibir ações de oportunistas e fortalecer a segurança pública, o Comando Regional de Polícia Ostensiva (CRPO) do Vale do Sinos deu a largada à Operação Férias Tranquilas no Município, São Leopoldo, Campo Bom e Parobé. A ação prevê vistorias externas nas casas de quem viajou e que fez cadastro junto à Brigada Militar.“Esse é o resgate de um trabalho que já fazíamos com atenção voltada às pessoas que saem de suas residências no fim da década de 90 e começo de 2000. É uma atividade de prevenção dentro do policiamento ostensivo que facilita também a localização dos proprietários em um caso de sinistro”, explica o comandante do CRPO, coronel Haroldo Knebel. Em Novo Hamburgo, Campo Bom e Parobé, a ronda pelos arredores dos imóveis será desempenhada pelos soldados do Policiamento Comunitário, enquanto São Leopoldo, que não conta com o programa, será assistido pelos policiais militares da Patrulha Escola. A previsão é que a operação siga até o dia 29 de fevereiro.

Comprovante é deixado pelo PM
De acordo com o coordenador do Policiamento Comunitário em Novo Hamburgo, tenente Sandro da Silva, alguns ajustes ainda estão sendo pensados para a operação que iniciou no primeiro dia do ano. “O interessado entra em contato e os dados ficam centralizados em nosso cartório. Os locais serão verificados pelo Policiamento Comunitário de cada região ou então pela companhia que assiste o bairro”, explica. A cada visita de um brigadiano, será depositado, na caixa de correspondências, um comprovante com a data e hora que o PM conferiu o endereço.
“Não há reforço no efetivo ou uma viatura especifica para a operação. Os responsáveis serão os próprios policiais que já fazem policiamento naquela área. Nos bairros Industrial e Rondônia, por exemplo, onde não há policiamento comunitário, a 1a Companhia que atende a região fica responsável”, exemplifica.

Segundo Silva, a previsão é que em pontos onde há núcleos do comunitário com jornada de 24 horas, duas visitas sejam realizadas, uma à noite e outra de dia. Enquanto em outras com 12 horas de serviço, ao menos uma visita da guarnição será feita por dia. “Em situações onde próximo a casa existe alguma situação suspeita ou perigosa, isso já deve ser informado no cadastro”, alerta.

“Estou mais seguro agora”
Morador do bairro Ideal, em Novo Hamburgo, o aposentado José Gonçalves, 76 anos, já entrou em contato com a BM no começo da semana para entrar na lista de residências vistoriadas na operação. “Há alguns anos, eu aderi às operações durante o verão tive surpresas positivas. Em todas as viagens, sempre ficava com uma preocupação de deixar a casa. Mas estou mais seguro agora, inclusive abri mão de empresas de vigilância.” Até a tarde de segunda-feira, cerca de dez pessoas se cadastraram no 3o Batalhão de Polícia Militar (BPM). São moradores dos bairros Operário, Rincão, Petrópolis, Canudos, Ideal, Industrial e Rondônia.
“Fica o medo”, diz vítima
Dono de uma das 16 casas atacadas pelos arrombadores, morador de um condomínio no bairro Rondônia conta que mais de 90 objetos foram levados pelos criminosos. “Passamos uma semana fora devido o ano-novo e, na segunda-feira, notamos o crime. Eu somente fiquei com roupas de trabalho, como calça social e camisa, o restante levaram tudo. A sensação que fica é de impotência diante das perdas”, disse o administrador de 33 anos, que pediu para não ser identificado. Já no bairro Ouro Branco, os ladrões danificaram dois portões eletrônicos, rede elétrica e sistema de alarme para invadir. O ataque não durou cerca de cinco minutos e teria acontecido na noite de domingo. Levaram joias, televisores e dois veículos das vítimas, um Peugeot 208 e um Mini Cooper. “Eu sei o quanto meus pais trabalharam para comprar os carros e quando saem para passear, acontece isso. O sentimento que fica é o medo”, recorda a dona de casa Bianca Carrubba Finkler, 28. Ela desconhecia a operação da Brigada. Os automóveis foram encontrados na Feitoria, em São Leopoldo.
Como participar
Em Novo Hamburgo, cadastro deve ser feito, no mínimo, 48 horas antes da viagem, na sede do 3º BPM (Avenida Coronel Travassos, 1.111, bairro Rondônia), pelos telefones (51) 3584-6831, 3584-6827 e 3587-8432 ou ainda pelo e-mail 3bpm-p3@bm.rs.gov.br.
É preciso informar o período de ausência do proprietário. Alguma eventual falha na cerca ou defeito no muro, por exemplo, precisam ser informados no cadastro, evitando que algum dos policiais militares entenda que houve um ataque.
Um comprovante com data e horário será depositado na caixa de correspondências dos moradores a cada visita dos brigadianos.
arte
 JORNAL VS