Recebida a tiros, BM promete ampliar ações para conter guerra do tráfico na Capital

152
Nesta segunda-feira, após uma centena de abordagens, o resultado foi um preso, 23 veículos parados e três táxis revistados Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS
Nesta segunda-feira, após uma centena de abordagens, o resultado foi um preso, 23 veículos parados e três táxis revistados
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Após mais de mil disparos e duas mortes no último sábado, polícia entrou nos bairros conflagrados e prendeu um suspeito

A Brigada Militar iniciou no último domingo uma nova ofensiva, a quarta fase da Operação Avante, para conter os grupos que têm promovido uma série de disputas em Porto Alegre pelo domínio dos pontos de venda de drogas. No fim de semana, a guerra do tráfico promoveu mais de mil disparos, fez duas vítimas — nos bairros Santa Tereza e Bom Jesus — que não têm relação com a criminalidade, e deixou 10 feridos.

Quando foi ingressar na região conhecida como Buraco Quente, na Zona Sul, um dos locais conflagrados no Santa Tereza, a BM foi recebida a tiros pelos traficantes. Mesmo assim, as operações vão prosseguir. Nesta segunda-feira, após uma centena de abordagens, o resultado foi um preso, 23 veículos parados e três táxis revistados.

Os policiais também recolheram munições, tornozeleira eletrônica, colete à prova de balas e quantia não informada de maconha e crack. O comandante interino do Policiamento da Capital (CPC), tenente-coronel Carlos Alberto Andrade, diz que é normal o baixo número de prisões e apreensões depois dos intensos tiroteios da noite de sábado, e afirma que sua tropa está motivada, apesar dos problemas, para encarar bandidos “petulantes”:

— Eles apresentam esses ímpetos, movidos pelo sentimento de impunidade, e tentam afrontar o sistema de segurança. Eles procuram fazer frente, mas ainda não chegamos a esse ponto (de domínio do tráfico) graças ao espírito destemido de nossos homens e mulheres — afirma Andrade.

Mais de 80 brigadianos, com apoio de duas viaturas e um helicóptero da Polícia Civil, participaram da operação na noite de domingo e madrugada de segunda. O foco da quarta etapa da Operação Avante, ainda em andamento, será os bairros Bom Jesus, Vila Jardim, Rubem Berta, Parque dos Maias e o complexo da Vila Cruzeiro.

O helicóptero da corporação que tem visão noturna, o Koala, recém adquirido, estava em manutenção e foi liberado nesta segunda-feira. O maior risco, de acordo com o CPC, é a Cruzeiro.

— Lá, as facções partem para o exibicionismo e querem mostrar força gerando instabilidade, medo e temor. Temos um grande número de trabalhadores à mercê desse pessoal — explica o tenente-coronel Carlos Alberto Andrade.

ZERO HORA