Beltrame critica corte na segurança dos cariocas

137
“Fiz a lição de casa, mas não gostei do corte”, disse o santa-mariense Beltrame (Agência Brasil / A Razão)
“Fiz a lição de casa, mas não gostei do corte”, disse o santa-mariense Beltrame (Agência Brasil / A Razão)

“Fiz a lição de casa, mas não gostei do corte”, disse o secretário de Segurança do Rio de Janeiro

por A Razão

O santa-mariense José Mariano Beltrame, secretário de Segurança do Rio de Janeiro, criticou ontem a falta de investimento para garantir a tranquilidade dos cariocas, que, segundo ele, “é praticamente zero”. Em audiência pública na Assembleia Legislativo do Rio de Janeiro, Beltrame disse que, com o corte de 35% no orçamento do setor, os investimentos ficaram reduzidos a quase nada.

O corte chega a aproximadamente R$ 2 bilhões dos mais de R$ 10 bilhões previstos para este ano. O que resta vai para o pagamento de salários e para a manutenção da estrutura da pasta. “O corte resultou em 130 pessoas demitidas, redução de viaturas, cortes de contratos pequenos de manutenção. Fiz a lição de casa, mas não gostei do corte, porque sempre trabalhei enxuto”, comentou.

Para minimizar os efeitos da crise econômica que atinge a Secretaria, ele solicitou o retorno dos policiais cedidos a outros órgãos. Como aqui, lá também não verba para chamar concursados. “Mais de 2,3 mil policiais estão há anos em outras instituições. Estes órgãos poderiam nos devolver temporariamente esse efetivo significativo durante o período de crise, a Olimpíada e as eleições que se avizinham, porque teremos de ajudar também Justiça Eleitoral”, desabafou o santa-mariense.