Patrulha Maria da Penha amplia atendimento às mulheres vítimas de violência

165
Em janeiro deste ano, o programa cadastrou 889 vítimas e realizou 1.752 visitas
Em janeiro deste ano, o programa cadastrou 889 vítimas e realizou 1.752 visitas

A ampliação do programa Patrulha Maria da Penha, em 2015, possibilitou o aumento da fiscalização das medidas protetivas de urgência, solicitadas ao Poder Judiciário em favor de mulheres vítimas de violência. Seis novas patrulhas foram instaladas, no ano passado, em Santa Maria, Bagé, Erechim, Santa Rosa, Ijuí e Bento Gonçalves. Agora, são 37 patrulhas em 28 municípios do Estado. E os primeiros resultados já podem ser quantificados.

Em janeiro deste ano, o programa cadastrou 889 vítimas e realizou 1.752 visitas. No mesmo mês de 2015, eram 609 vítimas que receberam 1.428 visitas. “A intenção é seguir ampliando, pois agimos para prevenir ocorrências de novos crimes”, afirma a coordenadora técnica da Patrulha Maria da Penha da Brigada Militar, capitã Amanda Martins Mondadori.

Amanda destacou que a fiscalização das medidas protetivas de urgência foi ampliada às adolescentes vítimas de violência doméstica. A ação atende a meninas com idade a partir dos 12 anos. Trata-se de uma iniciativa conjunta com as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams) e o Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca).

O programa da Patrulha Maria da Penha foi desenvolvido pela Brigada Militar, por solicitação das Deams ao Poder Judiciário, para prestar atendimento qualificado às mulheres vítimas de violência, principalmente a doméstica familiar. De acordo com Secretaria da Segurança Pública (SSP), o ano passado fechou com 12,2 mil mulheres cadastras no programa, que resultaram em 17.378 visitas da patrulha.

Jornal Agora