Burocracia: Ex-PM acusa CRPO-Sul de reter documento e ficar sem trabalho

167
O ex-policial militar temporário Marlon Munsberg, que procurou o Diário Popular para reivindicar documento que segundo ele não estaria sendo disponibilizado pelo CRPO-Sul; Comando contesta (Foto: Paulo Rossi - DP)
O ex-policial militar temporário Marlon Munsberg, que procurou o Diário Popular para reivindicar documento que segundo ele não estaria sendo disponibilizado pelo CRPO-Sul; Comando contesta (Foto: Paulo Rossi – DP)

Ex-PM reclama do CRPO-Sul

Em nota, Comando diz que o documento está disponível e o ex-policial militar temporário não se dirige há dias ao local

Há quase dois meses o ex-policial militar temporário Marlon Munsberg, 25, vive num impasse.

Desde que teve o contrato encerrado pelo governo do Estado, Marlon acusa o Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Sul (CRPO-Sul) de reter seu certificado de reservista militar. Por conta disso, Munsberg conta que já perdeu duas oportunidades de emprego por não conseguir retirar o documento da sede do comando. “Já fui lá diversas vezes e eles me disseram que precisa ter um comunicado oficial. Não posso ficar sem trabalho”, disse.

Apesar do desligamento ter sido anunciado no Diário Oficial deste mês, o ex-PM diz que mesmo assim o CRPO-Sul precisa de comunicado interno para liberar a papelada. Munsberg atuava no Presídio Estadual de Santa Vitória do Palmar.

Em fevereiro, o governador do Estado José Ivo Sartori (PMDB) informou que o contrato com os 178 PMs temporários não seria renovado.
Marlon, no entanto, explica que a situação é ainda pior. Segundo ele, o governo teria informado – via e-mail – que as rescisões financeiras estão suspensas até segunda ordem devido à atual crise financeira do RS. “Embora seja temporário, a dedicação para ser aprovado no concurso é a mesma se fosse para o efetivo”, comentou. Munsberg foi aprovado no último concurso da BM, ocorrido em 2013.

O comandante do CRPO-Sul, tenente-coronel Nelson Menuzzi, entretanto, informou que não há impasse. De acordo com o oficial, o ex-PM teria procurado o departamento responsável pela entrega de documentos um dia antes da publicação no D.O. Conforme Menuzzi, a documentação original não poderia ser entregue sem a publicação oficial de desligamento. Segundo o tenente-coronel, foram oferecidos ao rapaz cópia autenticada do documento e atestado de situação militar. Documentação que não teria sido aceita pelo ex-policial. “Estamos tentando entrar em contato com ele para avisar que o certificado já está à disposição, mas ele não apareceu mais por aqui. Aqui ninguém está prendendo documentos”, disse Menuzzi.

Leia a nota na íntegra:
“Cerca de três dias depois da publicação no Diário Oficial do desligamento dos PMs Temporários, ex-policial Marlon procurou o setor responsável pela liberação do certificado militar, sendo-lhe informado que no mesmo dia o documento estaria disponível. Foi-lhe salientado que – além do certificado – estaria sendo apresentado ao Comando do Exército em Pelotas, com o devido ofício – como reservista. Em tal documento estaria a relação dos demais PMs Temporários desligados da Brigada Militar. Até a última sexta-feira (15), quando o CRPO-Sul foi procurado pela reportagem do jornal Diário Popular, o ex-PM temporário não se dirigiu mais ao Comando Regional, tendo o militar responsável pelo setor, tentado – por várias vezes – avisá-lo que o Certificado Militar estava a sua disposição”.

Diário Popular