Críticas ao trabalho da BM incentivam criminosos a agirem

150
Ousadia dos bandidos é cada vez maior
Bem armados, ousadia dos bandidos é cada vez maior

O confronto entre brigadianos e bandidos, na porta do Hospital Cristo Redentor, que ganhou as manchetes de jornais em várias partes do mundo, provocou a indignação dos agentes da segurança pública com a imprensa local. Ao questionar a ação da Brigada Militar durante um confronto, alguns meios de comunicação colocaram em dúvida a atuação da BM, dando a impressão que os bandidos eram vítimas.

Para o presidente da ABAMF, “a forma como alguns setores da imprensa tratam o assunto incentiva a criminalidade, pois fica a impressão que os bandidos têm o direito de atacar sem uma resposta na mesma proporção”. Leonel Lucas destaca, ainda, que os PMs não foram colocados como agressores porque as imagens mostraram os marginais atirando – antes eles já haviam ferido dois PMs – e houve uma forte reação nas mídias sociais defendendo a ação da BM.

O que deveria ganhar destaque  ficou esquecido; o armamento pesado – entre esses um fuzil 556. O fato de bandidos estarem executando pessoas até mesmo dentro de hospitais na capital gaúcha. E uma guerra entre facções que faz vítimas inocentes todos os dias em Porto Alegre.

A impunidade, a falta de efetivo, a violência desmedida, sim, devem ser debatidas insistentemente. Os PMs também são vítimas da violência. E, se naquele momento, o brigadiano tivesse hesitado, o bandido não teria dúvida em matá-lo e, para isso, seria capaz, também, de tirar a vida de pessoas inocentes que estavam próximas.

Por isso,  brigadianos que participaram da ocorrência serão homenageados pela BM na próxima quinta-feira, 28 de abril.

Porque os brigadianos têm o dever de defender a vida e a sociedade

Paulo Rogério N. da Silva

Jornalista ABAMF