Justiça aceita denúncia contra jovens suspeitos da morte de PM durante Réveillon em Tramandaí

192
PM Maysson Fagundes da Silva levou um tiro na cabeça / Foto: Reprodução
PM Maysson Fagundes da Silva levou um tiro na cabeça / Foto: Reprodução

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público (MP) contra três jovens suspeitos da morte do policial Maysson Fagundes da Silva, 27 anos, morto na madrugada do dia 1º de janeiro em Tramandaí, no Litoral Norte.  A titular da 1ª Vara da Criminal da Comarca de Tramandaí, Cristiane Elisabeth Stefanello Schererdesta, entendeu em seu despacho que “há indícios de autoria e prova de materialidade” e determinou a citação dos réus.

Stevão Fabiam Sosa, 18 anos, Wagner Cabral Machado, 19 anos, e Diemi Emérson Reimann, 23 anos, tiveram a prisão preventiva decretada e foram encaminhados para a Penitenciária Modulada Estadual de Osório. O primeiro deles é apontado como o autor do disparo que vitimou o soldado, e os outros como participantes do crime.

Na denúncia oferecida pelo MP, o promotor Fernando Andrade Alves alega que o crime foi cometido “por motivo fútil” e “mediante recurso que dificultou a defesa da vítima”, já que o policial foi surpreendido pelos jovens que o cercaram, reduzindo as chances de defesa.

“O crime foi cometido, ainda, com emprego de arma de fogo em local de grande aglomeração de pessoas, gerando perigo comum”, diz a denúncia.

A investigação apurou que o motivo do crime foi a forma com que Diemi tentou se aproximar de uma mulher que estava no mesmo grupo que o PM. Conforme a Polícia Civil, uma discussão começou entre o policial, amigos dele e dois dos acusados.

Durante o ocorrido, Stevão teria se aproximado com um revólver calibre 38 e atirado. Dos três indiciados, apenas Diemi tinha antecedentes criminais por posse de entorpecentes.

Sete testemunhas ouvidas pela polícia reconheceram os presos como participantes do crime. Dois deles foram presos no dia 10 janeiro, na zona norte de Porto Alegre, e outro em São Leopoldo, dois dias depois.

GAÚCHA