PMs evitaram a morte de inocentes, diz comandante da BM

207
Coronel Alfeu Freitas relatou que os quatro mortos no confronto tinham extensa ficha criminal | Foto: Guilherme Testa
Coronel Alfeu Freitas relatou que os quatro mortos no confronto tinham extensa ficha criminal | Foto: Guilherme Testa

Coronel Alfeu Freitas relatou que os quatro mortos no confronto tinham extensa ficha criminal

O comandante-geral da Brigada Militar, coronel Alfeu Freitas Moreira, fez uma avaliação na tarde deste sábado, em coletiva de imprensa na sede do Comando Geral da BM, no centro da Capital, sobre o tiroteio que culminou com a morte de quatro criminosos nas imediações do Hospital Cristo Redentor, na zona Norte, na sexta-feira. O comandante elogiou a coragem dos PMs pelo enfrentamento e destacou que eles agiram com técnica, neutralizando a ação dos homens fortemente armados. Destacou que o grupo usava pistolas 9mm de uso restrito, além de um fuzil de assalto 7,65mm, de alto poder de ação. Também lembrou que os quatro mortos tinham longa ficha policial, com relação de crimes que incluíam roubo de veículos, tráfico de drogas, homicídio e porte de armamento de uso restrito.

“Hoje eu quero parabenizar estes homens que, naquele cenário de intenso tiroteio, evitaram que pessoas inocentes tenham morrido”, relatou.

O coronel destacou que os policiais serão homenageados por bravura, na próxima quinta-feira, junto com outros colegas que trabalharam na Operação Avante e em outras ações similares nos últimos meses. “As polícias gaúchas têm feito a parte delas e a preocupação da Corporação é dar segurança ao cidadão de bem, garantindo o combate à criminalidade”, disse Freitas.

Sobre eventual ação de PM contra bandido que já estava neutralizado e foi morto durante ação policial, o comandante foi cauteloso. “Num momento de stress como aquele, após intenso tiroteio, qualquer crítica à ação policial seria prematura”.

Destacou, no entanto, que o responsável pelo Comando de Policiamento da Capital, abriu inquérito policial militar para verificar a conduta dos agentes durante o confronto. O coronel destacou que a Inteligência da BM acompanha nas mídias manifestações de grupos criminosos qualquer problema que possa ameaçar a sociedade.

” Hoje, aqui, no ar-condicionado é muito fácil a gente fazer algum comentário. Mas, imagina naquele cenário de intenso tiroteio, de não saber de onde estão vindo os tiros, você só pensa em defender a sua vida e dos inocentes”.

Ele destacou que é contra a máxima “Bandido bom é bandido morto”, dizendo que a BM não defende essa ideia nem fomenta ações violentas. “Queremos nossos heróis vivos, mas se alguém tiver que morrer que sejam os criminosos”, finalizou.

CORREIO DO POVO