Ministro da Justiça quer estender ações de segurança pública de SP para o país

136
O presidente interino Michel Temer (E) e o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes (D) Foto: EVARISTO SA / AFP
O presidente interino Michel Temer (E) e o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes (D)
Foto: EVARISTO SA / AFP

Alexandre de Moraes era secretário de Segurança da capital paulista e disse que redução crimes violentos no Estado se deve à garantia de recursos e à atuação “dentro da lei, mas com firmeza”

O ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, disse, nesta terça-feira, que a redução de homicídios e crimes violentos no Estado de São Paulo, do qual era secretário de Segurança, se deve à garantia de recursos pelo governador Geraldo Alckmin e à atuação “dentro da lei, mas com firmeza”. O ministro defendeu a extensão de programas de segurança pública que deram certo em São Paulo para todo o país.

— Vamos levar os bons frutos do governo do estado de São Paulo para o Brasil todo. Vamos levar nosso plano de combate aos homicídios para todo o Brasil. Não é possível que continuem morrendo mais de 50 mil pessoas por ano vítimas de homicídio — disse Moraes ao entregar o cargo de secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo para o procurador de Justiça Mágino Alves Barbosa Filho.

O novo secretário estadual disse que pretende contar com a ajuda do governo federal para implantar projetos que antes não tinham apoio do Ministério de Justiça.

— Hoje podemos ter certeza de que quando estivermos fazendo uma proposta o governo federal saberá que é para melhorar. Sabemos que com Moraes teremos um relacionamento que efetivamente nunca chegou a existir com o Ministério da Justiça.

Entre os pontos a serem aprimorados, Barbosa Filho destacou o maior controle das fronteiras.

— Precisamos diminuir a entrada de armamento pesado no país e buscar parcerias que cisem a isso. Por exemplo, a parceria entre as policias que possibilitem melhor patrulhamento nas estradas para evitar a entrada indiscriminada de armas no país. Podemos estabelecer várias parcerias e colocar tropas especializadas em apoio para operações conjuntas. Isso será objeto de estudo.

*Agência Brasil

ZERO HORA