OSCAR BESSI: Adolescentes Assassinos S/A

165
Dupla confessou o assassinato da funcionária da Infraero e foi presa no último domingo | Foto: Álvaro Grohmann / Especial / CP Memória
Dupla confessou o assassinato da funcionária da Infraero e foi presa no último domingo | Foto: Álvaro Grohmann / Especial / CP Memória

Por Oscar Bessi

Uma mulher jovem, com uma vida imensa pela frente. Bonita, independente, lutadora pela igualdade, humana, mãe, amiga de sorriso sempre aberto e trabalhadora incansável. Ela é sequestrada na saída do seu trabalho, no Aeroporto Salgado Filho, e torturada brutalmente por monstros que exigem, a princípio, seu carro e seu dinheiro. Selvageria, maldade absoluta, sadismo. Os criminosos: um adolescente de 16 anos e um adulto com mais de 30. Ambos se divertem com a dor e o desespero da vítima. São cruéis. O que houve para tamanho ódio e barbárie? Um assalto aleatório ou mais que isso? A vítima foi mesmo escolhida ao acaso, como qualquer um de nós pode ser, hoje ou amanhã, em qualquer lugar, ou dera perseguida por um louco?

Todos choram ao pensar no sofrimento e terror por que ela passou. A família chora a sua falta irreversível e quer justiça. Mas, infelizmente, não haverá justiça alguma. Porque nosso país é uma piada e está nem aí para o seu povo há muito tempo. E em breve, muito breve, essas feras estarão liberadas para torturar e matar outro inocente. Um delegado de longa trajetória e experiência ficou abismado com a frieza e atrocidade do adolescente assassino. Aliás, cadê os defensores dos bandidos que trocaram tiros com a Brigada no Cristo Redentor? Eis um dos seus injustiçados! Esse “pobrezinho”, que riu com a dor de uma mulher e a trucidou, amanhã pode te pegar, ou alguém da tua família, sabia?

Não é o primeiro caso, nem será o último. Resultado óbvio, já que Educação e Segurança Pública, o que protegeria de fato e mudaria a estrada do nosso povo, são alvos de cortes, mentiras e boicotes sempre. Estamos todos indignados e precisamos erguer a voz. Mas não a serviço de siglas e grupos que, na prática, nunca fazem coisa alguma de verdade pelos outros, afora midiatizar seu oportunismo. Nem podemos ser massa de manobra para bandidos de outro escalão. Neste domingo, às 10h, sairá uma carreta da Av. Padre Cacique, organizada pelo grupo comunitário Segurança Urgente, criado após o assassinato covarde do capitão Carlos Norberto Barbosa, em março. Grupo totalmente apartidário e não ideológico, focado em exigir melhorias na segurança de Porto Alegre.

Na madrugada de quarta, vi um garoto de 19 anos que foi executado, de joelhos, por rivais no tráfico de drogas. Pegamos dois dos assassinos. Rapazes. Quinta pela manhã prendemos um trio de jovens assaltantes, orgulhosos de serem “do crime”, um deles preso oito vezes com apenas 18 anos. Na distorção e descaso, o mal vira grife. E a fábrica de adolescentes assassinos é sociedade anônima de vários acionistas: os que se omitem e os que permitem, os irresponsáveis que incentivam ou lucram com o caos. E os idiotas incapazes de enxergar a um palmo do seu umbigo.

CORREIO DO POVO