Populares farão manifestação e pagarão advogado de PM que revidou aos tiros do menor infrator

131
1ehg8cal36_126urmlfd3_fileSegundo um novo depoimento do menor infrator que testemunhou a morte de Ítalo, de 10 anos, nem ele nem seu colega estavam armados quando os policiais atiraram, entre criminosos é normal mudar depoimento após orientação de advogados.
E diz a Folha:

Os moradores da região onde o veículo foi furtado (incluindo Morumbi e Vila Andrade) programam para sábado (11) uma manifestação em favor dos PMs em frente ao Palácio dos Bandeirantes.

Eles pedem que os policiais não sejam afastados das ruas. “Eles estavam trabalhando. Não foi uma execução”, disse Regina Azzulini, idealizadora do ato. Os moradores também pretendem ajudar a pagar os advogados dos policiais.

Que gente é essa? É gente cansada de vitimização, casada de ver menor matando e estuprando, cansada de ver vagabundo se dando bem nas custas dos trabalhadores e cansada de ver policiais sendo tratados por criminosos por essa imprensa poca e chapa branca acompanhada do famigerado direito dos manos.

Prova do crime

O exame residuográfico feito pela perícia detectou rastros de pólvora e chumbo nas mãos do menor infrator Italo, 10, morto em confronto durante perseguição policial após furtar um carro na quinta (2) na região do Morumbi. O resultado era aguardado pela Polícia Civil e pela Corregedoria da PM para saber se o menor realmente teve ao menos contato com um revólver calibre 38 apresentado pelos policiais sendo do infrator Italo.

O comparsa de 11 anos que estava com Italo deu três versões diferentes da ocorrência. Primeiro, disse que Italo estava armado e que atirou contra os PMs durante a perseguição e após a batida do carro. Mais tarde, disse que ele só atirou no trajeto enquanto era perseguido. Depois, negou troca de tiros,

Uma testemunha, um advogado de 45 anos disse ter escutado um tiro disparado do carro onde estavam os menores durante a perseguição. Ele prestou depoimento nesta quarta (8) reforçando esse relato, que pode ser favorável aos policiais.

Veja a versão do menor no dia do fato:

Deputado Estadual Coronel Telhada – Pelo amor de Deus, É TRISTE COMO TRATAM OS POLICIAIS. Enquanto for vivo, isso não ficará assim!