Sartori não deve nomear todos os aprovados para a Segurança Pública

223
12313836_952809221451052_3676877053360549796_n
IMAGEM ILUSTRATIVA

Crise e dificuldade para pagar a folha não devem permitir que aprovados para as policias civil e militar sejam aproveitados de uma só vez

Pelo menos em duas oportunidades, em recentes manifestações públicas, o governador sinalizou que vai chamar nvoos servidores para o Executivo. A expectativa criada por José Ivo Sartori, do PMDB,  mexe com a ansiedade de aprovados para a Segurança Pública. Mesmo que o aceno feito pelo governador não indique nenhuma área específica, a previsão é de que a Segurança Pública seja beneficiada. A tendência ganha força a partir da vigência do decreto de contenção de custos do governo, que mesmo em validade prevê uma excepcionalidade de contratações para o setor.

Em 2012, foram realizados concursos públicos para as polícias militar e civil. O prazo inicial, de ambas seleções, era de dois anos. Como não houve aproveitamento nos governos Tarso e Sartori houve uma renovação e as seleções seguem válidas até dezembro deste ano.

São dois mil aprovados para a Brigada Militar e pouco mais de 600 para a Polícia Civil. Entretanto, fontes do Palácio Piratini negam o aproveitamento de todo este contingente de uma só vez. Os problemas na folha de pagamento são nítidos a partir de atrasos consecutivos de salários do funcionalismo público e, ainda, com 55% dos inativos correspondendo ao gasto total.

Desta maneira, a informação é de o Palácio Piratini vai autorizar a nomeação de 500, dos dois mil aprovados para a BM. Ou seja, apenas um quarto do total destinado para a corporação vai ser aproveitado. Já na Polícia Civil, que conta com mais de 600 aprovados, a estimativa é chamar 280 novos servidores.

Todos novos funcionários que ingressarem no serviço público já vão aderir ao regime de previdência complementar, onde o servidor também contribui com recursos para garantir aposentadoria.

Fonte:Voltaire Porto / Rádio Guaíba