Canil do 2º RPMon prossegue operante nas ações policiais

107

foto57781-gCães de farejo e de segurança são treinados diariamente, para estarem prontos para agir

A PLATEIA

No último sábado (16), a Operação Restart realizada pela Polícia Civil, contou com o apoio de todos os órgãos de segurança pública, entre eles esteve a Brigada Militar representada pelo 2º RPMon.
Um dos grupos representantes da Brigada Militar foram os treinadores do canil que junto com os cães adentraram nas residências para realizar um pente fino, identificando drogas e objetos oriundos do tráfico.

Composto pelos soldados Dutra, Ucha, Elder e sob a responsabilidade do sargento Henrique, o Canil do 2º RPMon trabalha com cães Pastores, além de um Rottweiler e um Labrador. Segundo o coordenador do canil, sargento Pedro Henrique Severo Domingues salientou o trabalho do canil e a importância do treinamento desde filhote, em que a sintonia entre cão e adestrador faz a diferença, “Estamos trabalhando, todos os dias, para levar excelência ao serviço prestado pela Brigada Militar e a excelência que buscamos, fazendo nosso trabalho, já resultou na captura de criminosos e o flagrante de drogas”, destacou o sargento. Para finalizar, o sargento agradeceu a participação dos colegas uruguaios e de Alegrete que são sempre participativos nos treinamentos do Rio Grande do Sul.

Um história dentro do Canil

A pastora Shiva, que serviu o canil da BM por 8 anos,  se aposentou em 2015. Foi após esse episódio que o sargento Henrique levou a K9 para casa, onde virou o mascote da família. Sobre essa história a parte, dentro do canil ele comentou “A maioria dos cães que chegam para o treinamento vem de ninhadas, onde a genética é selecionada muitas vezes, já a Shiva foi doada por um santanense que tinha muitos cães e resolveu entregar um ao regimento”, frisou. Para acrescentar, o sargento fala da trajetória de Shiva, “Shiva já esteve comigo em várias partes do estado e em ações e treinamentos realizados no Uruguai. Entre as missões mais importantes estão a captura de um foragido do Presídio de Encruzilhada, preso em Bagé, após um bote certeiro da pastora e a ação contra os manifestantes sem-terra em São Gabriel, onde esteve na linha de frente durante o confronto”, explicou.