“O maior problema da segurança pública no RS é a impunidade”, diz comandante-geral da BM

220

19860422Coronel Alfeu Freitas Moreira divulgou uma nota comentando a ação de policial que morreu ao abordar suspeitos na zona sul da Capital 

DIÁRIO GAÚCHO

Um dia depois de divulgar uma nota afirmando que a postura adotada pelo soldado Luiz Carlos Gomes da Silva Filho, 29 anos, durante abordagem a dois suspeitos na tarde de segunda-feira deveria ter sido mais agressiva, o comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel Alfeu Freitas Moreira, explicou que o texto foi um desabafo em relação à impunidade no Estado.

Em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade, na manhã desta terça-feira, Moreira lamentou a morte do policial, que acabou baleado na cabeça e morto durante a ação que ocorreu na zona sul da Capital:

— Eu entendo e sempre que posso me manifestar digo que o maior problema da segurança pública no nosso Estado é a impunidade. Passamos o tempo todo fazendo um retrabalho, pois a pessoa que está cometendo um crime sabe que vale a pena porque a punição será pouca, ou não haverá.

O comandante-geral explicou ainda que o texto foi escrito em resposta às críticas feitas em relação à ação da BM em outras ocasiões.

— Esse texto foi uma resposta a uma pessoa que criticou muito a Brigada Militar no evento do Hospital Cristo Redentor. O policial é um herói. Me incomoda quando as pessoas começam a criticar de maneira simplória, pois elas devem entender a ação do brigadiano, todo o cenário — afirmou.

Segundo o Comandante-geral, ainda não é possível avaliar com detalhes a ação do policial, pois é preciso analisar as imagens do momento da abordagem, além de colher depoimentos das testemunhas.

— Houve uma série de circunstâncias que tornaram o cenário muito complexo para o policial. Ele estava muito preocupado com a questão externa do que acontecia. Havia gente ao redor — explicou.

Sobre as imagens da ação do policial na tarde de terça-feira, gravadas por um morador, Moreira afirmou que serão usadas a partir de agora nos cursos de formação de novos agentes:

— Temos uma grande responsabilidade em formar novos brigadianos. A atividade da polícia ostensiva é muito arriscada e estressante, muito técnica. O bandido não se preocupa se tiver que atirar, a responsabilidade que recai sobre os ombros dos brigadianos é grande, e por isso esses exemplos são importantes.