Avaliação negativa do governo: Sartori sobre avaliação: “Eu nunca me preocupei com pesquisa”; veja

135

17369303“Eu nunca me preocupei com pesquisa”, diz Sartori sobre avaliação negativa do governo

Por Mateus Ferraz GAÚCHA

José Ivo Sartori reuniu a imprensa na tarde desta terça-feira (23) para prestar contas das últimas ações de governo, como a viagem à Argentina, o reforço no quadro de servidores da segurança pública, previdência complementar e reestruturação do Estado. Não houve nenhum anúncio no evento. O governador falou por cerca de 20 minutos e, após a manifestação dos secretários que o acompanhavam, respondeu a perguntas. Uma delas, foi referente à baixa aprovação de seu governo em pesquisa realizada pelo Ibope. Eis a resposta:

“O negócio é baixar a cabeça, trabalhar e se dedicar permanentemente. A equipe que nós temos é boa. Agora eu posso dizer que eu nunca me preocupei com pesquisa. É fazer aquilo que precisa ser feito e criar as condições de mudança do papel do Estado”.

Pesquisa

De acordo com pesquisa Ibope encomendada pelo Grupo RBS, 55% dos eleitores ouvidos classificam a administração de José Ivo Sartori péssima ouruim. Para 31%, o governo é regular. Outros 10% acreditam que a atuação dele é boa e 2% ótima, mesmo índice dos que não sabiam ou não responderam.

Entrevista

Em relação à entrevista coletiva realizada no Palácio Piratini, Sartori falou sobre avanços na relação entre o Estado e a Argentina na área da agricultura. O ministro responsável pela área no país vizinho virá para a Expointer. O governador também destacou ações na área da segurança, como o início do curso de formação de 224 policiais civis, a convocação de 530 soldados da Brigada Militar e ainda a autorização de abertura de concurso público para o Instituto Geral de Perícias (IGP).

O secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes, falou sobre a interlocução com o Governo Federal referente ao ressarcimento de valores utilizados pelo Estado para a manutenção de estradas federais durante o governo de Pedro Simon, nos anos 80. A partir do chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, um grupo de trabalho foi criado para discutir o tema. O Piratini acredita que pode receber, na melhor das hipóteses, até R$ 2 bilhões. A resposta deve ser divulgada em 60 dias.