Rádio Guaíba: “Não passa pela nossa cabeça uma solicitação de policiamento”, diz Cairoli sobre pedido de ajuda do RS ao Exército

150

20886049José Paulo Cairoli reuniu-se ontem com o Comando Militar do Sul e apresentou problemas da segurança pública do RS

O vice-governador do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli, afirmou na manhã desta quarta-feira, em entrevista ao programa Agora, que o governo gaúcho não cogita que o Exército apoie agentes da Brigada Militar e da Força Nacional de Segurança no policiamento ostensivo de rua . Ontem Cairoli reuniu-se com representantes do Comando Militar do Sul(CMS) e expôs os problemas na segurança pública do Estado. Cairoli frisou que pediu ao Exército para analisar o que as Forças Armadas podem fazer para colaborar com o Rio Grande do Sul a combater a violência.

“Não passa na nossa cabeça uma solicitação de policiamento. O Exército tem possibilidade de fazer controle de fronteira, ações que estão dentro de seu escopo e disponibilidade, fazendo parte dentro desta preocupação nossa de segurança”, esclarece Cairoli, frisando que ainda não há uma definição sobre a forma de apoio dos militares. Uma nova reunião entre o governo gaúcho e o CMS deve ocorrer nos próximos dias.

Cairoli também foi questionado sobre o nome do novo secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul e revelou que não há um nome definido. O vice-governador entende que, neste momento, o ideal é fortalecer as estratégias do governo. O nome do atual secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, não chegou a ser discutido, apesar de Cairoli simpatizar com a possibilidade.

“Até este momento, não conversamos sobre qual alternativa ou o tipo de pessoa que se deseja. Isso é prioridade zero. O nome é importante, mas é muito mais importante a estratégia de governo, que é dar um basta na criminalidade. É evidente que o Beltrame tem uma imagem muito positiva pelo trabalho que fez no Rio de Janeiro, mas acredito que o nosso ex-secretário Jacini, se tivesse o recurso financeiro, teríamos talvez avançado no Rio Grande do Sul”, afirmou.

Fonte:Eduardo Paganella / Rádio Guaíba