ZERO HORA: Em dia de protesto, BM adota estratégia para colocar mais PMs nas ruas em Porto Alegre

122

20634994De acordo com o Comando da BM, efetivo está 35% maior do que nos demais dias

Apesar do protesto dos servidores na segurança pública, a Brigada Militar afirma que aumentou no número de policiais nas ruas de Porto Alegre. O reforço inclui até o uso de helicóptero. A medida faz parte de uma estratégia criada ao longo da semana para evitar que os policiais ficassem presos dentro dos quartéis por eventuais bloqueios de servidores aposentados e familiares dos PMs.

Como não tinha ideia da dimensão que a paralisação teria, o comando optou por aumentar o efetivo para não deixar a Capital desguarnecida. Houve uma manobra nos horários e na mudança na organização das trocas de turno que permitiram esse acréscimo de 35% em relação aos dias normais. A polícia não informou o número total de soldados na rua.

Outra ação articulada durante a semana foi o deslocamento dos policiais que entraram nesta manhã para fora dos batalhões. Eles foram levados para diversos pontos de Porto Alegre para que os manifestantes não impedissem suas saídas às ruas. Uma tropa foi encaminhada para a Arena do Grêmio, onde pernoitou antes de assumir o posto às 7h.

— Entendemos que as manifestações são legítimas. Mas, como instituição, temos que manter o bem-estar social — justifica o subcomandante-geral, Andreis Silvio Dal’Lago.

O único incidente relatado por Andreis ocorreu no batalhão da Restinga, onde um grupo ingressou no batalhão para pegar materiais e foi impedido de sair às ruas pelos manifestantes. De acordo com o subcomandante, o problema já foi solucionado com o envio de outro efetivo para a região.

— A Restinga está com policiamento — garante.

O presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar, Aparicio Santellano, avalia positivamente o ato desta quinta e afirma que há uma grande adesão ao protesto. Segundo ele, em Porto Alegre, pelo menos cinco quarteis têm manifestações. No Interior, também há grupos protestando contra o parcelamento dos salários.

— Estamos fazendo uma coisa ordeira, só chamando a atenção dentro da legalidade. Queremos que população olhe bem para isso — diz.

Sobre a manobra feita pelo Comando para garantir um maior policiamento nas ruas, Santellano afirma que a estratégia gerou estresse entre os servidores.

— Gerou mais desgaste e indignação. Eles passaram a noite carregando viaturas para vários pontos e não tinha efetivo suficiente. Temos que lembrar que este servidor está sem receber.