GAÚCHA: Brigada Militar considera adequado o número de viaturas na Capital

178
Capital possui 407 viaturas da Brigada Militar e cerca de 100 paradas com problemas mecânicos
Foto: Ronaldo Bernardi /Agencia RBS

Corporação aguarda chegada de novos veículos e policiais em 2017

As viaturas com problemas mecânicos da Brigada Militar devem ficar menos tempo paradas nos pátios dos batalhões. Atualmente, Porto Alegre conta com 407 carros e motos para o policiamento ostensivo e operações especiais.

Mais de 100 estão fora de operação e aguardam conserto com recursos próprios ou através de parcerias com a iniciativa privada. Ainda assim, apesar das baixas, o comandante do Policiamento da Capital (CPC), coronel Jefferson de Barros Jaques, afirma que o número atual é adequado.

“Na relação que estamos trabalhando hoje, eu estou bem. Eu deverei melhorar porque há processo de aquisição de viaturas pelo governo do Estado e está em processo de formação de novos policiais”, destaca.

Jaques relata que o número de viaturas em circulação em Porto Alegre durante o dia é de cerca de 60. Na manhã desta quinta-feira (23), afirmou que havia 57 veículos.

Ainda segundo o coronel, a frota ativa aumenta para mais de 100 quando há operações especiais.

Sobre o tempo de resposta a chamados, o comandante salienta que a BM busca reduzir a média de espera atual, de cerca de 45 minutos. No entanto, diz que a solução não passa simplesmente por mais viaturas e que há a análise da gravidade da situação.

Além disso, há casos em que veículos ficam parados fazendo a guarda de presos por falta de vagas em presídios.

“Nós temos ocorrências que são atendidas em média em cinco ou 10 minutos. Em contrapartida, existem outros fatos, de menor risco e gravidade, que nós levamos, às vezes, uma hora e meia por causa da fila”.

Viaturas

O último levantamento da Brigada, que embasou a parceria com concessionárias de veículos para o conserto gratuito de viaturas, apontou que 112 carros e motos estavam parados. Do total, 20 veículos serão os primeiros a voltar às ruas. Paralelo a isso, a BM custeia, com recursos próprios, outros 30.

As concessionárias irão contatar a corporação sempre que puderem efetuar novos consertos.  Por isso, não há um cronograma definido para as ações. Ainda assim, a expectativa é manter o vínculo por tempo indeterminado.

GAÚCHA