Governo recua e empurra votação de projetos para março

174

Preocupado com os poucos votos favoráveis nas votações polêmicas que ocorrerão e a constante manifestações das representações dos servidores públicos contra o desmonte do serviço público à sociedade gaúcha, o governo do RS recuou, mais uma vez, e decidiu colocar as propostas em debate somente em março.

Projetos do Executivo pretendem desfazer a obrigação de plebiscito, retirar direitos dos servidores – inclusive brigadianos – e promover privatizações.

Para explicar o recuo, o governo do RS usa o acordo da dívida com a União, que na opinião de deputados traz muitas obrigações, mas não traz grandes vantagens. “Desde quando crédito para negativado é um bom negócio? São três anos de carência e mais 20 anos para pagar. É só empurrar o problema com a barriga. A dívida que seria quitada em 2027 ficaria para 2047 – criticou o deputado Luis Augusto Lara (PTB). PDT e PSB também têm divergências com o governo e não garantem voto favorável aos projetos do Executivo.

Entidades dos servidores permanecem mobilizadas e deputados do PDT PTB e PSB não garantem votos ao governo gaúcho

Paulo Rogério N. da Silva

Jornalista ABAMF