G1: Após chegada do interior, PMs reforçam segurança em Porto Alegre

163

Moradores já dizem notar maior presença de policiais nas ruas da cidade.
Tropas do interior se uniram aos agentes da Força Nacional.

Do G1 RS

Um dia após a chegada de 350 policiais militares que estavam no interior do Rio Grande do Sul, os porto-alegrenses perceberam a diferença na cidade. O patrulhamento reforçado recém iniciou, e ainda há muito a ser feito, mas as ações já começaram a dar resultado (veja na reportagem).

No primeiro dia, os agentes revistaram 730 pessoas e abordaram 219 veículos, em maioria ônibus. Quatro suspeitos foram presos – um deles tinha acabado de roubar os passageiros de uma lotação –, e um carro roubado foi recuperado, segundo a Brigada Militar.

PMs fazem policiamento ostensivo em Porto Alegre (Foto: Brigada Militar/Divulgação)
PMs fazem policiamento ostensivo em Porto Alegre (Foto: Brigada Militar/Divulgação)

Líder no número de roubos de celulares, o Centro da capital gaúcha é a região que recebeu o maior reforço.

A maior área verde cidade, o Parque da Redenção, também ganhou recebeu apoio na segurança. Os PMs estão ainda em outros pontos de Alegre, e fazem o policiamento ostensivo, para marcar presença e serem vistos pela população.

“A violência está demais, eu já saio rezando com a nossa senhora na bolsa. Eu tenho medo”, desabafa a aposentada Janete Barbosa Feijó.

A cada oito horas, o efetivo é substituído. No meio da tarde, 110 PMs deixaram um dos batalhões para patrulhar 35 pontos diferentes da cidade, entre a Zona Norte e o Centro.

Além de bases fixas, os agentes também podem se deslocar para outros bairros da cidade, se forem acionados para combater qualquer tipo de crime.

“Seja um furto, roubo até a questão que está mais pautada, homicídio ou latrocínio”, diz o policial militar Paulo Renato Vargas Godoy.

Chegada de novos PMs ocorre horas após latrocínio
Os novos PMs foram apresentado em solenidade na manhã desta quarta-feira (15). O anúncio ocorreu horas depois de mais um caso de latrocínio (roubo com morte) na cidade este ano.

A transferência das tropas não deve representar prejuízo à segurança do interior do estado. “Eles serão compensados com horas extras, como foi no ano anterior e há também um rodízio de efetivo, portanto, não haverá prejuízo”, afirma o comandante-geral da Brigada Militar, Andreis Silvio Dal’Lago.

Além da garantia de pagamento de horas-extras, o encerramento da Operação Verão permitiu que o efetivo que estava no litoral gaúcho também retornasse para o interior.