JORNAL NH: Pela 1ª vez, mulher coordena escola de soldados em Montenegro

313
Michele coordena 403 alunos

Michele Vargas, 37 anos, é responsável por 403 alunos da Escola de Formação e Especialização de Soldados de Montenegro (Esfes)

O pulso é firme, mas a voz é doce como de uma mãe. Assim, com a sutileza e responsabilidade de quem cuida de um filho, a capitã Michele Vargas, 37 anos, faz história na Brigada Militar. Ela é a primeira mulher a coordenar a Escola de Formação e Especialização de Soldados de Montenegro (Esfes). São 403 alunos, divididos em 12 turmas, que ficam sob os olhos atentos da militar.

Casada e mãe de dois filhos, João, de 12, e Júlia, 10, Michele é natural de Bagé e mora em Santa Cruz do Sul. “Eu vejo eles (os filhos) aos fins de semana. Eles ficaram lá em Santa Cruz do Sul, com o meu esposo. A gente se fala todos os dias à noite pelo WathsApp”, conta.

A formação na Esfes começou em novembro do ano passado e a formatura está prevista para 20 de julho, quando todos os alunos receberão o título de tecnólogos em segurança pública. No início, a tropa era de 419 soldados, mas alguns foram ficando pelo caminho por problemas pessoais, de saúde e reprovação.

Na mesa de Michele, vários trabalhos para correção. Além de coordenar a parte de disciplina e ensino, planejando as aulas de todo currículo, ela também encara a sala de aula, lecionando a disciplina de termo circunstanciado.

Aprovada na BM em 2003, Michele é graduada em Direito e cursa pós-graduação em penal e processo penal. “É um desafio muito grande trabalhar com homens, porque nós temos que mostrar a nossa capacidade frente à tropa. Mostrar o que aprendeu para que saiam daqui como verdadeiros policiais”, salienta.

Compreensão do universo feminino

A Esfes foi criada em 1990 e desde então já formou milhares de soldados. Hoje, ela é comandada pelo major Márcio da Luz, que também é professor de tiro. Ele lembra que conheceu Michele no Vale do Rio Pardo, quando ela entrou para a carreira militar. Quando foi informado que a Esfes receberia a maior turma de alunos simultânea da sua história, sentiu a necessidade de aumentar a equipe responsável pela capacitação. Como já conhecia o trabalho da capitã e sabia que o número de alunas mulheres seria expressivo, decidiu tomar uma decisão. “Convidei ela para fazer esse trabalho, pois nós precisávamos de alguém na equipe que entendesse esse universo e ela tem feito um excepcional trabalho”, destaca.

Inspiração para outras mulheres

Dos 403 alunos, 66 são mulheres. Entre a classe feminina está a soldado Francini Bianchini Corrêa, 22 anos. Natural de Uruguaia, ela faz parte de uma família de militares e, desde pequena, almejou fazer carreira na Brigada Militar. Para ela, o papel que Michele desempenha dentro da corporação serve como inspiração. “Por ter uma capitã do efetivo feminino coordenando o curso dá uma moral bem maior para nós mulheres, incentiva muito”, garante.

O colega da capitã, tenente José Kleber Vargas Arduvino, conta que já foi comandado em outras oportunidades por mulheres, situação que cada vez mais se repete dentro da BM. “Com certeza ela é um exemplo a ser seguido. Nós temos a expectativa para que o quadro militar de mulheres aumente ainda mais”, aposta.

Saiba mais

Além de Montenegro, a BM tem escola de soldados em Osório e uma escola de formação de sargentos em Santa Maria. Atualmente, 1.040 alunos estão recebendo capacitação militar no Estado. A expectativa é que, após a formatura em julho, uma nova turma de aprovados no concurso sejam chamada, mas ainda não há confirmação do governo do Estado.