Ações por indenização a presos podem gerar mais de R$ 15 milhões de dívida ao Estado

152
Hoje nomeado Cadeia Pública, presídio foi construído em 1950 e acumula problemas (Foto: Reprodução)

Sentença que condenou o Estado a indenizar apenado do Presídio Central em R$ 5 mil deve abrir caminho a outras. Advogado projeta ingressar com 3 mil ações em 2017 pela precariedade das cadeias gaúchas

Por: Eduardo Torres ZERO HORA

A sentença inédita no Rio Grande do Sul, que determinou ao Estado, na última quinta-feira, que indenize um apenado da Cadeia Pública — antigo Presídio Central — por danos morais em decorrência das condições precárias da prisão, deve abrir uma enxurrada de ações semelhantes. Pela decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública, o apenado Carlos Aldair de Souza Cardoso, 40 anos, que tem condenação a 14 anos por homicídio e está no Presídio Central desde 2011, deve receber R$ 5 mil.

O advogado autor da ação judicial, Rodrigo Rollemberg Cabral, projeta ingressar com até 3 mil processos semelhantes até o final deste ano. Se todos os casos tiverem ganho de causa e indenização no mesmo valor, o prejuízo aos cofres públicos pode chegar a mais de R$ 15 milhões. É como se, em apenas um ano, o Rio Grande do Sul tivesse de gastar quase tudo o que foi investido na construção da primeira unidade do Presídio de Canoas — R$ 17,9 milhões — para ressarcir os presos mantidos nas atuais cadeias gaúchas.

— Em todas as ações, as provas são substanciadas com os relatórios feitos pelo Judiciário e as sentenças de interdição das casas prisionais, em especial o Presídio Central. A situação desumana com que as penas são cumpridas é notória — argumenta o advogado.

Galerias superlotadas do Presídio Central descumprem a Lei de Execuções PenaisFoto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Até o começo da tarde desta sexta-feira, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) ainda não havia sido notificada da decisão. A assessoria de imprensa do órgão assegura, no entanto, que recorrerá. A estratégia deste recurso, no entanto, só será definida quando os procuradores tiverem acesso ao inteiro teor da sentença. A Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) ainda não se manifesta sobre o assunto.

O processo que resultou na sentença da última quinta teve início em 2015, e ganhou fôlego quando, em fevereiro deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou um caso semelhante, do Mato Grosso, que tramitava desde 2003. Naquela decisão, com repercussão a outros tribunais do país, foi definido que é responsabilidade somente do poder público garantir condições dignas para o cumprimento da pena.

Em sua decisão, a juíza Rosana Broglio Garbin foi ainda mais enfática: “O Estado, ao longo dos anos, vem se omitindo em garantir condições mínimas de habitabilidade e higiene nos presídios. No atual sistema carcerário não há condições de ressocialização dos apenados, na verdade, sequer há condições mínimas de sobrevivência”.

A própria juíza sentenciou o Estado a abrir novas vagas no sistema em 2009, sob pena de multa de R$ 25 mil diários. A decisão não foi cumprida. “De lá para cá, a situação só piorou”, relata a magistrada.

Conforme a Susepe, o déficit prisional do Rio Grande do Sul é de 11 mil presos. 

Ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, conheceu as condições do Presídio Central no ano passadoFoto: Luiz Silveira / Agência CNJ

_________________
O QUE DIZEM OS ESPECIALISTAS

Rafael Custódio, coordenador de Justiça da ONG Conectas Direitos Humanos:

“Essa decisão precisa ser aplaudida, porque restabelece o que está previsto na legislação. Cabe ao Estado garantir as condições mínimas à população carcerária. Portanto, ele é o único responsável pelas violações dos direitos básicos dessa população.

Chegamos ao ponto de indenizar os presos por um reflexo da opção que o poder público no Brasil de encarcerar sem critérios e garantias de direitos. No caso do Presídio Central, esse quadro é notório, inclusive com denúncias de órgãos internacionais.

A única saída possível é esvaziar aos poucos as atuais cadeias e desencarcerar autores de crimes sem violência. Criar mais presídios nunca preveniu a violência.”

Gustavo Caleffi, consultor de segurança:

“Essa decisão legitima uma inversão de valores. Agora, além de ter agido errado ao cometer um crime, o delinquente ainda pode ganhar um direito a mais. Só estimula a ideia ao criminoso de que vale a pena cometer o crime. É quase um incentivo.

Mas é reconhecido que o atual sistema penitenciário não tira ninguém do crime. É responsabilidade do Estado melhorar a estrutura dos presídios.”