Rádio Guaíba: Sem renovação de frota, governo gaúcho gastou quase R$ 30 milhões em conserto de viaturas em 2016

360
Viatura de 2010 parada há 2 meses

Desde o início do mandato, em 2015, governador José Ivo Sartori adquiriu 13 viaturas para a BM e 40 para a Polícia Civil

O governo do Rio Grande do Sul gastou R$ 28.328.435,63 em conserto de viaturas da Brigada Militar, só no ano passado. Foram quase R$ 10 milhões a mais que em 2015. Já para a manutenção de veículos da Polícia Civil, foram pagos R$ 3,002,910,77 em 2016. Os principais serviços incluem consertos de mecânica, elétrica, suspensão, troca de pneus, baterias, consertos em sistemas de freios, embreagem, pintura, chapeação, injeção eletrônica e caixa de câmbio. O valor é suficiente para comprar 348 veículos novos, cujo custo médio é de de R$ 90 mil. Os dados foram obtidos pela reportagem por meio da Lei de Acesso à Informação.

Apesar do investimento milionário em reparo de veículos, inúmeras viaturas seguem paradas em batalhões e em delegacias aguardando reparo. No município de Santiago, na região Central do Estado, há seis viaturas disponíveis para a Polícia Civil para atender a delegacia geral, da mulher, de delitos de trânsito e o cartório de proteção à crianças e adolescentes. Um dos veículos, uma Mitsubishi L200 ano 2009, que é uma viatura cela, ficou parado por mais de um ano esperando conserto. Além disso, o comissário Bruno Dornelles relata que o carro só está funcionamento hoje porque uma empresa particular emprestou uma bateria automotiva. “Identificamos um problema no motor, que custava em torno de R$ 15 mil o orçamento mais barato. A resposta que recebemos da administração foi que não havia verba para o conserto. Graças ao nosso bom relacionamento com o Poder Judiciário recebemos uma parte como doação e a outra veio do Sindicato Rural de Santiago. Nós ainda estamos esperando uma bateria porque a que está em uso é emprestada de um empresa”, explica.

Na região Metropolitana de Porto Alegre, um policial que preferiu não se identificar contou que as viaturas, quando vão para conserto, permanecem até dois meses na oficina, comprometendo o serviço dos agentes de segurança. Recentemente, revela policial, o automóvel estragou e ele precisou empurrar um carro do ano 2000, em meio a uma operação. “Eu estava indo em suporte para dar um reforço aos colegas que estavam fazendo uma operação. Quando eles me acionaram, a viatura me deixou na mão, deixou os colegas na mão, poderiam ter corrido risco de vida”, conta.

A reportagem também teve acesso a fotos de viaturas em um batalhão da Brigada Militar (BM), que fica na Serra Gaúcha, paradas há mais de sete meses devido à falta de manutenção. No local, 13 viaturas aguardam conserto. Desde o início do mandato, e até agora, o governador José Ivo Sartori, adquiriu 13 viaturas para a BM e 44 para a Polícia Civil. A gestão anterior, de Tarso Genro, nos dois primeiros dois anos, comprou 611 veículos para a Polícia Militar e 639 para a Polícia Civil. Atualmente, a frota da Brigada Militar soma 5.373 viaturas, com mais 2.220 da Polícia Civil.

Fonte:Daiane Vivatti/Rádio Guaíba