Agência Tocantins: Porte Policial fora de serviço – Por Alessandro Guimarães

240

E necessário o Policial Militar portar arma de fogo fora de serviço?  Iniciamos essa matéria com essa interrogação, certamente iremos chegar ao encontro dos reais motivos que levam a necessidade do agente de segurança publica (Policial Militar) portar arma de fogo mesmo estando fora de serviço (A paisana).

SAIBA MAIS: Por ordem do Comando, policiais militares ficarão desarmados no Tocantins quando estiverem de folga

Policial Militar a paisana saca a arma e consegue impedir assalto a transeuntes – Foto: Divulgação/Agência Tocantins

Legalmente, os policiais brasileiros têm direito ao porte de arma de fogo, mesmo fora de serviço, contanto que esta esteja devidamente registrada junto ao órgão competente. Não se discute a necessidade do uso de arma de fogo pelos policiais quando estão exercendo sua função pública, mas a polêmica é grande quando nos perguntamos se o policial deve ou não portar arma de fogo fora de serviço. Aperfeiçoando a pergunta, diria que o ponto é: quando o policial deve portar arma de fogo fora de serviço?

Para discutir o tema que, repito, é polêmico, vou colocar algumas questões para discussão entre nossos leitores, tópicos que julgo essenciais ao decidir entre sair ou não armado de casa:

Estou preparado para usar arma de fogo?

“Se uso arma em serviço por que não posso usar na folga?” – perguntarão muitos. O argumento pode ser dissolvido facilmente, já que quem assim pensa ignora fatores fundamentais na atuação policial, como o princípio da superioridade numérica, que apesar de às vezes não ser respeitado pelos próprios policiais, é a regra na maioria das diligências/abordagens, fazendo com que o oponente se intimide.

A farda e a certeza de que o policial faz parte de um grupo coeso e relativamente equipado, são também fatores que tendem a favorecer o ambiente de uso da arma de fogo para o policial. Nada disso é encontrado ao utilizar a arma fora de serviço, onde a habilidade no saque e no disparo, a atitude no momento certo de usar a arma e o necessário conhecimento do equipamento são indispensáveis.

Aonde, quando e com quem estarei?

Não basta apenas pensar sobre suas capacidades para decidir sobre portar ou não uma arma. É fundamental ter noção do contexto que irá enfrentar. O local que você pretende ir é perigoso? Tem histórico de criminalidade? Com quem você estará? Se for sair com sua família, você estará disposto a reagir a um assalto, por exemplo? Vai fazer uso de bebida alcoólica?

Que tipo de policial é você?

Você já sofreu ameaça de morte por parte de criminosos? Ou trabalha no serviço administrativo e praticamente não desenvolve qualquer serviço de caráter policial – prendendo quadrilhas, bandidos perigosos etc. Caso corra verdadeiros riscos de obter represálias por causa do seu trabalho, é bom pensar que momentos extremos podem ocorrer, de modo que não apenas portar arma de fogo é necessário, mas também preparar-se fisicamente e psicologicamente para o caso desses momentos se tornarem reais.

Quais são os ganhos e perdas?

Portar arma à paisana exige atitude expectante constante, como se de serviço estivesse. Ela identifica o policial, e exige o cuidado com a possibilidade de roubo e furto, com o agravante de poder o policial ser vítima do próprio equipamento. Por outro lado, ser identificado como policial num assalto, por exemplo, sem ter qualquer chance de reação é algo quase que fatal.

No final das contas, creio que o porte de arma de fogo por policial fora de serviço é uma decisão individual, mas que deve ser muito refletida por cada um. Afinal de contas, talvez o uso da arma possa ser visto como uma atitude impensada, em virtude dum calor de momento, mas a decisão de sair com ela não é algo que será julgado como irrefletido. Além do mais, lembre-se que, a princípio, você é um profissional de segurança pública, um policial, e alegar mau preparo não será aceitável caso incidente ocorra. Pense nisso!

Autor: Alessandro F. Guimarães – Jornalista Especialista em matérias policiais.  Fundador do Portal de Notícias – Agência Tocantins

Registro profissional – SRTE/DRT 999-TO